ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 29º

Cidades

Pouca gente usa, mas rastreador acha bikes, cada vez mais visadas por ladrões

Veja tudo sobre aparelhos que custam a partir de R$ 100 e podem ficar escondidos na bicicleta

Caroline Maldonado | 07/03/2022 12:21
Detalhe de pedivela de bicicleta, onde rastreador pode ficar escondido. (Foto: Henrique Kawaminami)
Detalhe de pedivela de bicicleta, onde rastreador pode ficar escondido. (Foto: Henrique Kawaminami)

Furto de bicicleta só aumenta, mas pouca gente pedala prevenido. Custa entre R$ 100 e R$ 230 ter um rastreador na bike. É difícil saber quem usa um desses, porque geralmente as pessoas não revelam, justamente para que o rastreador não seja encontrado em caso de roubo ou furto. Nas delegacias, as ocorrências de furto aumentam, mas ninguém tem rastreador, segundo o delegado chefe das Depacs (Delegacias de Pronto Atendimento Comunitário), João Eduardo Davanço.

Sem o equipamento, quem foi furtado tem que contar com a ajuda de câmeras de segurança, fornecer as informações sobre a bicicleta à polícia e esperar pela investigação. Quase sempre as bikes são encontradas com o receptor, ou seja, quem compra o produto ou em pontos de vendas de drogas, de acordo com o delegado.

O setor de estatísticas da Polícia Civil não tem levantamento específico sobre furtos e roubos desse tipo de veículo, mas o delegado revela que os furtos de bicicleta aumentaram nos últimos anos.

“Isso ocorre por dois motivos: os preços das bicicletas aumentaram e tem cada vez mais gente usando para prática esportiva e não somente como meio de transporte. Há ocorrências em que o ladrão entra na casa especificamente para furtar a bicicleta devido ao alto valor”, comenta Davanço.

Preços 

Os rastreadores são fáceis de usar e de esconder. Existem vários modelos e preços em sites da internet, mas os das marcas Samsung e Apple são os mais recomendados, na opinião do proprietário da loja Colmick Bike, Valter Colman.

Proprietário da loja Colmick Bike, Valter Colman. (Foto: Henrique Kawaminami)
Proprietário da loja Colmick Bike, Valter Colman. (Foto: Henrique Kawaminami)

Ele explica que a duração da bateria desses modelos é de cerca de um ano.

“Isso facilita, porque como o rastreador fica escondido, você pode se esquecer de carregar, nos casos dos mais simples que exigem carregamento em menos tempo,”

O rastreador da Apple tem preços a partir de R$ 230 e o mais barato da Samsung sai por R$ 149 na internet.

Com uma bateria que dura cerca de nove dias em uso constante e até duas semanas em uso moderado, há rastreadores mini GPS, que são geralmente utilizados para carros, ao custo de R$ 99.  Alguns até gravam sons do ambiente.

Apesar do equipamento não ser comum entre os que fazem registro policial de roubo ou furto, muitas pessoas fazem instalação, segundo Valter.

“Desde o início do ano, já instalei rastreador para três clientes. As pessoas que têm um desses não comentam geralmente, nem com os amigos, porque não querem que alguém saiba onde está o aparelho”, comenta Valter.

Como usar 

Rastreadores da Apple, Samsung e Mini GPS com localizador. (Imagem: Reprodução/Google Shopping)
Rastreadores da Apple, Samsung e Mini GPS com localizador. (Imagem: Reprodução/Google Shopping)

É bom que o rastreador seja bem pequeno. Na hora de comprar, é importante ver se o tamanho é compatível como lugar que o aparelho vai ocupar na bike.

Detalhe do avanço, onde rastreador pode ficar escondido na bicicleta. (Foto: Henrique Kawaminami)
Detalhe do avanço, onde rastreador pode ficar escondido na bicicleta. (Foto: Henrique Kawaminami)

Dá para improvisar, mas há suportes específicos. 

Valter recomenda que as pessoas busquem um mecânico para fazer a instalação de modo que o aparelho fique bem escondido e sem risco de cair durante o uso da bicicleta. 

Um seguro também é uma boa, mas para quem faz mudanças nas peças da bike, Valter recomenda inserir o veículo em um seguro de bens.

"Já vimos casos em que a pessoa fez o seguro para a bicicleta, mas depois trocou peças e, muitas vezes, utiliza peças compradas no Paraguai. O seguro não vai cobrir essas atualizações na bike. Então, a pessoa acaba pagando caro. O melhor é inserir a bike em um seguro maior junto a outros bens. Neste caso, pode compensar", explica.

Nos siga no Google Notícias