ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Cidades

Suspensão de transplantes barra chances de quem sonha com o fim da hemodiálise

Contrato com laboratório não foi renovado e exames necessários para cirurgias estão suspensos

Gabrielle Tavares | 13/08/2022 11:10
Máquina realiza procedimento de hemodiálise em paciente renal. (Foto: Divulgação/IESPE)
Máquina realiza procedimento de hemodiálise em paciente renal. (Foto: Divulgação/IESPE)

A paciente Carla Patrícia Falcão, de 26 anos, faz parte das 145 pessoas que precisam de um transplante de rim no Estado. Ela mora em Bonito, cidade localizada a 297 km de Campo Grande, e precisa se deslocar três vezes por semana para a Capital, para fazer hemodiálise.

Toda segunda, quarta e sexta-feira ela acorda 1h30 para fazer as sessões necessárias para filtrar o sangue, capacidade que seu organismo perdeu. Essa é a rotina dela nos últimos quatros anos e, no momento, seu maior desejo é se ver livre da máquina, mas só um transplante de rim poderia tornar o sonho em realidade.

Nesta semana, o irmão de Carla topou fazer o exame de histocompatibilidade para saber se podia doar o órgão para ela, mas quando foi contar para a enfermeira do setor responsável, recebeu a notícia que os exames estavam suspensos.

"Eu perdi a função renal e o transplante é a chance que eu tenho de sair da máquina, sem ele não é possível e eu vou continuar nessas viagens extremamente cansativas, nesses desgastes que são as sessões”, lamentou.

Impasse suspendeu transplantes – Cirurgias de transplantes de órgãos continuam suspensas em Mato Grosso do Sul com o vencimento do contrato com a empresa responsável pela realização de exames pré e pós operatórios em Campo Grande. O impasse contratual pode afetar a vida de 473 pacientes no Estado, que aguardam na fila a oportunidade de uma nova chance.

O laboratório Bio Molecular tinha contrato com a Prefeitura de Campo Grande para prestar os serviços, mas o documento venceu no domingo (7) e desde segunda-feira (8) não há empresa credenciada.

A prefeitura alegou que avisou o governo do Estado sobre a necessidade de abrir uma nova licitação em março deste ano e aguarda retorno desde então. A SES (Secretaria Estadual de Saúde), por sua vez, disse que houve um acordo mediado pelo MPE  (Ministério Público Estadual), mas partiu do município a decisão de não fazer novo contrato com o Laboratório Biomolecular.

Outra paciente que espera pela cirurgia é a estudante Anne Raissa Roberto Ferro, de 29 anos, que foi diagnosticada com uma doença rara em 2020, chamada Síndrome Nefrótica com Glomerulonefrite C3.

Anne Raissa durante sessão de hemodiálise. (Foto: Arquivo Pessoal)
Anne Raissa durante sessão de hemodiálise. (Foto: Arquivo Pessoal)

Por haver poucos estudos sobre a doença, ela precisou trocar de medicamento por três vezes, processo invasivo que danificou o funcionamento de seu rim e a obrigou a também realizar as sessões de hemodiálise três vezes por semana.

Ela ainda precisou passar por duas cirurgias nos últimos dois anos, uma para retirada de um tumor benigno no coração, e outra para drenar um líquido que se acumulou em seu cérebro. Só neste ano ela conseguiu se estabilizar no tratamento da doença e entrar para a lista do transplante.

“Quando soubemos da notícia que nossa oportunidade nos foi tirada por questão de não renovação de contrato, isso me deixa muito triste e frustrada. Pois eu os demais que aguardam na fila somos os mais prejudicados  por essa falta de responsabilidade com nossa saúde”, lamentou.

“Nós já enfrentamos a dificuldade que a doença nos traz e quando finalmente conseguimos alcançar esse passo que é estar na fila para o transplante, que é o caminho para a salvação, vem essa notícia”, completou.

“A hemodiálise para a nossa vida né. Conseguimos caminhar com ela, mas a passos bem curtos. Ela nos impede de estudar, nos impede de trabalhar. Quando descobri a doença foi muito triste porque tive que parar de trabalhar e parar de estudar, e com a hemodiálise achei que conseguiria voltar, mas é muito difícil achar uma empresa que aceite que o funcionário não esteja lá três vezes na semana”.

Impasse - A Santa Casa de Campo Grande, hospital referência neste tipo de cirurgia na Capital, alegou que não é parte envolvida no processo de negociação, mas que espera que a situação e espera que ela seja regularizada o quanto antes .

A unidade enviou no dia 10 de agosto um ofício para a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), SES (Secretaria Estadual de Saúde) , CRM (Conselho Regional de Medicina) e MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pedindo uma solução para o problema.

Além disso, a unidade garantiu que o Ambulatório do Serviço de Diálise da Santa Casa está funcionamento normalmente, mas reforçou que sem a garantia dos exames de compatibilidade é impossível inserir pacientes no sistema para doação e na lista de espera pelo órgão.

Nos siga no Google Notícias