A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

12/03/2010 15:50

Acusados de matar garota participam de reconstituição

Redação

Começou há pouco a reconstituição do assassinato de Natália Wenz Ajala, 22 anos, morta na noite de sábado com um tiro na testa. O 7° D.P e a perícia técnica realizam a reconstituição do crime.

Os suspeitos Estefferson Roy Souza da Silva, o "Bu Bu Bu", 21 anos, e o ex-soldado do exército Ricardo Emanuel Machado da Costa Aragão, o "Ricardinho", de 20 anos, dono do revólver de calibre 38, usado no crime apresentam à polícia os fatos que aconteceram na noite do crime.

De acordo com a versão apresentada por Estefferson à Polícia Civil, o disparo foi feito por brincadeira. O rapaz havia retirado duas munições do revólver, acreditando que ele encaixaria a parte vazia ao invés da bala, como ocorreu.

Como o som no bar estava bastante alto, o público local não ouviu o tiro. Após o fato, o corpo permaneceu no lugar das 19h de sábado até 1h da madrugada de domingo, quando foi levado para os fundos de uma casa ao lado do bar e depois foi desovado em uma estrada próxima à Pedreira São Luís, na Vila Popular.

Policiais civis do 7º Distrito Policial acharam ontem o corpo da vítima, que estava desaparecida desde sábado.

O bar onde os acusados e a vítima estavam fica na rua Japecanga, esquina com a Jaboticatubas, na vila Silvia Regina. O dono do bar, Jéferson Alan Lopes, 35 anos, conhecido como "Preto Buda", alugava o prédio desde novembro do ano passado.

Na terça-feira, procurou o proprietário dizendo que iria desocupar o local, porque a mulher havia ganho uma casa da Emha no Jd. Noroeste e ele iria mudar para Bandeirantes, para trabalhar como pedreiro.

Na quarta-feira de manhã, "Preto Buda" mudou e não deixou a chave para o proprietário, Isaías Barreto, 45 anos, que teve de chamar um chaveiro para abrir a casa. Barreto ficou sabendo do crime hoje pela manhã, quando a polícia chegou ao local e ficou surpreso.

"O Buda tinha um boteco perto daqui e mudou para o meu prédio em novembro do ano passado", comentou Barreto. Buda, que não foi preso, também participa da constituição, junto da esposa e um advogado.

Violência - O crime chocou a vizinhança, porém ninguém quer comentar a respeito. No local sempre havia muita bagunça e som alto, principalmente durante o final de semana.

Uma vizinha, que não quis se identificar, contou que trabalhava junto com Natália em uma fábrica de costura e que Estefferson também teria trabalhado no local, porém foi demitido.

Nesta semana a mãe de Natália foi até a fábrica para saber de notícias da filha, "Ela foi lá à fábrica, chorando muito, mas ninguém sabia do paradeiro dela", lamentou.

MEC deve homologar Base Comum Curricular na próxima quarta-feira
O Ministério da Educação informou que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), aprovada hoje (15) pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), deve ser ...
Presos da penitenciária federal da Capital são julgados por crime em RN
Um preso custodiado no presídio federal de Campo Grande foi julgado, ao lado de outros três homens, na quinta-feira (14) e nessa sexta-feira (15) por...
Governo Federal reduz período do horário de verão para 2018/19
O presidente Michel Temer assinou hoje (15) um decreto reduzindo em duas semanas o horário de verão em 2018. No ano que vem, a medida começará a vale...
Inscrições para o Vestibular 2018 da UFMS seguem abertas
A UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) segue com inscrições abertas para o Vestibular 2018, que selecionará alunos para cursos de gradua...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions