ACOMPANHE-NOS    
AGOSTO, SEGUNDA  08    CAMPO GRANDE 19º

Capital

“Não vamos assumir coisa errada”, diz secretário sobre sistema Gisa

Por Leonardo Rocha | 06/10/2013 16:22
Secretário diz que sindicância provou descumprimento de contrato (Foto: Cleber Gellio)
Secretário diz que sindicância provou descumprimento de contrato (Foto: Cleber Gellio)

O secretário municipal de saúde, Ivandro Corrêa Fonseca, voltou a comentar e criticar a  implantação do sistema Gisa (Gerenciamento de Informações em Saúde) que tem como objetivo agendamento de consultas por telefone na rede pública de Campo Grande.

“Não vamos assumir compromisso com coisa errada, nós já encaminhamos este caso a PGM (Procuradoria Geral do Município) e depois iremos tomar os procedimentos legais”, destacou o secretário.

De acordo com Ivandro, não há como continuar um projeto que em sindicância aberta chegou a conclusão que houve descumprimento do contrato. “Eles não entregam as senhas do código fonte, para que as devidas atualizações sejam feitas no sistema, sem que haja esta disposição não há nada o que podemos fazer”, apontou ele.

A prefeitura inclusive já mencionou a possibilidade de pedir a devolução dos R$ 9,6 milhões que foram investidos no projeto na gestão do ex-prefeito Nelsinho Trad (PMDB). A CPI da Saúde da Assembleia realizou reunião com o ex-secretário municipal de saúde, Leandro Mazina, e com o diretor-presidente Telemídia e Technology International, Naim Alfredo Beydoun, responsável pelo sistema.

Os deputados chegaram até a fazer visitas em unidades de saúde, acompanhados pelo diretor da empresa, para conferir “in loco” se o sistema funcionava. Nesta ocasião a consulta até foi marcada, mas o presidente da comissão, o deputado estadual Amarildo Cruz (PT), destacou que vários mecanismos deveriam ser melhorados e atualizados.

Acareação – A CPI chegou a cogitar uma acareação entre o secretário Ivandro Corrêa e o diretor da empresa Telemídia, no entanto após reuniões internas, os deputados resolveram encerrar esta discussão e apenas expor no relatório os pontos que foram apurados.

Nos siga no Google Notícias