ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, SÁBADO  20    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Após contradição, polícia faz reconstituição do caso de garoto morto por vizinha

Autora diz que disparo foi acidental, mas já deu três versões sobre onde estava a vítima

Por Aline dos Santos e Antonio Bispo | 23/02/2024 10:16
Elianete [na viatura] está presa desde setembro por homicídio culposo. (Foto: Henrique Kawaminami)
Elianete [na viatura] está presa desde setembro por homicídio culposo. (Foto: Henrique Kawaminami)

O homicídio de adolescente de 17 anos, morto com tiro no olho esquerdo pela vizinha na madrugada de 2 de setembro, em condomínio no Jardim Canguru, tem reprodução simulada na manhã desta sexta-feira (dia 23), em Campo Grande.

O caso, registrado como homicídio culposo (sem intenção de matar), registra uma série de versões. A mulher de 44 anos, autora do disparo, já disse que o adolescente foi atingido em três situações diferentes:  em pé, sentado e deitado na cama. Elianete Ramona Monteiro está presa desde o crime e alega disparo acidental.

Mãe da vítima, Sirlene Soares de Castro, que segue morando no condomínio e acompanha o trabalho da perícia, conta que aquele dia não sai da sua cabeça e espera que a verdade apareça. “Quando entrei na casa, encontrei meu filho caído no quarto. Eu pedia para chamar socorro. Mas a mulher gritou, lá da sala, que não era para chamar o Samu [Serviço de Atendimento Móvel de Urgência] coisa nenhuma”.

Ela diz que seu coração de mãe alerta que o filho sabia de algo. “Meu filho nunca desrespeitou ninguém, eu sou mãe. Sei quem eu criei. A única coisa que eu quero é que ela tenha decência de falar a verdade, por mais dolorida que seja”, desabafa.

Ainda sobre o adolescente, a mãe afirma ele era querido no condomínio e que o único defeito era não saber dizer não. Na manhã do dia anterior ao crime, ajudou a carregar as compras da vizinha autora do disparo.

O adolescente era diagnosticado com a doença de legg-calvé-perthes, enfermidade que interfere na placa de crescimento dos ossos, causando dores no quadril e dificuldade para andar.

Sirlene Soares de Castro chora ao falar sobre filho, que foi morto por vizinha. (Foto: Henrique Kawaminami)
Sirlene Soares de Castro chora ao falar sobre filho, que foi morto por vizinha. (Foto: Henrique Kawaminami)

Estou à base de remédios. É assim que estou vivendo a minha vida. Não durmo, não como, eu só quero a verdade. Já que ela foi mulher de atirar em uma criança especial, que seja mulher para contar a verdade. Meu coração está disposto a perdoar, mas não agora, quem sabe um dia”, diz a mãe.

Contradições – A advogada Bruna Garcia, que representa a família do adolescente, destaca que já foram dadas três versões sobre o disparo do revólver calibre 38.

 “Primeiro, ela falou que estava deitada do lado dele. Depois, fala que ele estava de pé. Depois, que estava sentado na cama. A cena do crime, propriamente dita, está muito controversa. A autora diz que quem chegou primeiro na casa foi um vizinho. Mas a mãe da vítima garante que foi ela quem chegou primeiro”, afirma.

Advogada Bruna Garcia aponta falhas na investigação de homicídio. (Foto: Henrique Kawaminami)
Advogada Bruna Garcia aponta falhas na investigação de homicídio. (Foto: Henrique Kawaminami)

A defesa também aponta que houve falhas, além de não preservar o local do crime. Segundo ela, o vídeo da câmera de segurança do condomínio mostra barulho de tiro à meia-noite e cinco minutos. Mas a mulher só chamou ajuda à 1h58, horário que consta no laudo necroscópico.

“Só esse lapso temporal já é uma falha gigante. O celular da acusada não foi apreendido, não foi periciado. Tem muitas lacunas. A denúncia foi feita como homicídio culposo, mas os autos nos leva a crer que tem alguma coisa escondida”.

A autora já tem passagens por sequestro e cárcere privado, além de algumas ocorrências de tráficos de drogas e roubo.

Adolescente foi morto no quarto da vizinha, como mostra imagem no processo. (Foto: Henrique Kawaminami)
Adolescente foi morto no quarto da vizinha, como mostra imagem no processo. (Foto: Henrique Kawaminami)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias