A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

28/05/2012 21:57

Após detonar objeto suspeito, escola no Coophavilla é liberada

Nyelder Rodrigues e Paula Maciulevicius
Esquadrão antibombos do Cigcoe esteve no local procurar e detonar o objeto suspeito (Foto: João Garrigó)Esquadrão antibombos do Cigcoe esteve no local procurar e detonar o objeto suspeito (Foto: João Garrigó)

Após ser isolada e evacuada por causa de uma suspeita de bomba, a Escola Estadual Padre José Scampini, no bairro Coophavilla 2, em Campo Grande, já foi liberada para a volta às aulas amanhã (29). Porém, como os alunos do período noturno já foram dispensados, não haverá mais aulas hoje.

Durante vistoria de uma hora e meia no prédio da escola, feita pelo Cigcoe, Bombeiros e Polícia Militar, um artefato suspeito foi encontrado atrás das salas de aula, em um gramado próximo ao muro do colégio. O objeto era uma sacola plástica colorida, com material não identificado dentro.

O material encontrado foi datonado pelo esquadrão antibombas do Cigcoe no local, e constatado lá mesmo como não explosivo. Por volta das 19h30, duas ligações para o Corpo de Bombeiros informavam sobre a existência das possíveis bombas, que na verdade eram papéis velhos.

Aproximadamente 600 alunos estavam na escola e foram dispensados, todos do 9º ano do ensino fundamental ao 3º do ensino médio.

Segundo a estudante Kelly Cristina Santos, de 17 anos, o aviso da dispensa foi dado pela diretora do colégio, que disse que todos podiam ir embora e amanhã saberiam o porquê. “Mas ela manteve a calma e disse para não nos apavorarmos”, conta a jovem.

Já outra estudante, Cintia Ferreira Gonçalves, também de 17 anos, afirma que quando saíram das salas, já havia bombeiros e policiais pelos corredores.

Conforme as duas alunas, os comentários sobre uma bomba no colégio já era feito em conversas nos corredores, mas elas não sabem de onde surgiu, nem quem especificamente começou com os comentários.

Diretora - A diretora da escola, Raimunda Farias, conta que disse que a decisão de dispensar os alunos foi dela. “Como temos poucos funcionários, decide dispensá-los do que cuidar de quase 600 aqui fora”, declara Raimundo, que, ficou sabendo sobre a ameaça através da própria polícia, que chegou com tranquilidade à escola.

Raimunda confirma que além de entrega de trabalhos, haveria hoje provas de biologia, sociologia e historia. “Eram provas normais. Não eram provas bimestrais, que sustentassem esse tipo de brincadeira ou seriedade”, explica.

Ela ainda diz que todas as áreas acessíveis do prédio foram verificadas, e que a PM orientou que os alunos fossem retirados do colégio. Sendo assim, ela preferiu dispensá-los.

De família de escritores, médico lança amanhã livro com poemas
O renomado psiquiatra Marcos Estevão lança nesta quinta-feira (14) em Campo Grande o livro de poesias "Pedaços de Mim", que é um compilado de poemas....
Renegociação de dívidas com a Águas Guariroba pode ser feita até o dia 29
Vai até o dia 29 deste mês a campanha "Fique em Dia", realizada pela Águas Guariroba para renegociar as dívidas que os consumidores têm com a empresa...


Aff ainda queriam deixar eu, Larissa e Anderson dentro da escola
Nossa fiquei mal por não ter feito a prova de química ´´não sabia nada``
 
Angélica Aquino em 29/05/2012 08:12:16
kkkkkkkkkkkkk, que ameaça e rebeldia, que nada!!! Isso é algum engraçadinho que não fez o trabalho e aproveitou para trollar a diretora.
 
João Silva em 29/05/2012 07:18:08
realmente isso foi muito estranho , mais ainda bem que deu tudo certo !
 
CINTIA FERREIRA em 29/05/2012 02:32:37
Meu Deus , ta parecendo história do fim do mundo , parabéns Diretora Raimunda ,mas devemos pesquisar o porque deste ato de ameaça e rebeldia ! Aguardemos .
 
Paulo Pereira em 28/05/2012 11:07:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions