ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Atendimentos não serão afetados pela greve, garante Hospital Universitário

Motivo da greve é pela falta de reajuste salarial nos últimos 4 anos e para não reduzir a insalubridade

Izabela Cavalcanti e Ana Beatriz Rodrigues | 26/09/2022 09:24
Profissionais da saúde montam tenda em frente ao Hospital Universitário. (Foto: Marcos Maluf)
Profissionais da saúde montam tenda em frente ao Hospital Universitário. (Foto: Marcos Maluf)

Os atendimentos de pacientes no Hospital Universitário Maria Aparecida Pedrossian em Campo Grande, não serão suspensos pela greve, segundo informou a assessoria do hospital.

Na manhã desta segunda-feira (16), profissionais da saúde do local deram início a greve, pela falta de reajuste salarial nos últimos 4 anos, além de ser contra a diminuição da insalubridade.

Os pacientes que chegam ao hospital, tem oferecido apoio à ação. É o caso da dona de casa, Neila Lopes da Silva, de 57 anos.

"Sou paciente de fisioterapia aqui faz 3 meses. Fiquei internada e recebi um cuidado que garanto que não receberia em um hospital particular. Os médicos, as enfermeiras sempre sorrindo, eles merecem e devem receber mais e sem sombra de dúvidas essa é uma das categorias que deveriam ser bem paga, mas infelizmente não acontece. Se eu aguentasse, ficaria ali com eles pra dar volume”, comenta.

O aposentado Raimundo Ferreira Andrade, de 78 anos, é acompanhante do filho. “Meu filho está internado aqui a um bocado de tempo. Sempre foi bem atendido, todos os funcionários sempre bem educados e atenciosos, acho justo eles pedirem para ganhar mais pelo tanto que trabalham", destaca.

O aposentado Raimundo Ferreira, de 78 anos, é acompanhante do filho, no hospita. (Foto: Marcos Maluf)
O aposentado Raimundo Ferreira, de 78 anos, é acompanhante do filho, no hospita. (Foto: Marcos Maluf)

O motorista Jorge da Silva, de 54 anos, também disse que apoia o movimento. "Faço tratamento dermatológico aqui. Se estão fazendo greve, é por algum motivo justo, então eu apoio eles", apoia.

Entenda – Cerca de 20 profissionais deram início a greve, hoje, pela manhã. A programação é de que a paralisação dure até o fim da noite, por tempo indeterminado. Serão três equipes em cada turno; depois vão para a casa e retornam no outro dia.

De acordo com o secretário-geral do Sintsep (Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Mato Grosso do Sul), Wesley Cássio Goully, o pedido é de aumento de 24%, o acumulado dos últimos anos.

A enfermeira Amanda Fogaça, de 35 anos, participa da greve. “Estou há 14 anos nesta profissão e faz um tempo que estou almejando a valorização e o respeito pela categoria, tanto pela área da Enfermagem quanto pelos servidores do Hospital Universitário”, lamenta.

Além de “brigar” pela valorização e pela não redução da insalubridade. Segundo o secretário-geral do sindicato, eles recebem 27% sobre o salário-base de cada categoria, e o Governo Federal quer reduzir pra 20% sobre o salário mínimo.

Nos siga no Google Notícias