ACOMPANHE-NOS    
JULHO, QUINTA  29    CAMPO GRANDE 13º

Capital

Campo Grande só tem 16 leitos de UTI ainda disponíveis, diz prefeito

Afirmação foi dada durante coletiva de imprensa na sede do MP sobre o endurecimento na fiscalização

Por Nyelder Rodrigues e Ana Paula Chuva | 11/03/2021 17:47
Marquinhos Trad [centralizado] durante a coletiva de imprensa hoje, no Ministério Público (Foto: Kisie Ainoã)
Marquinhos Trad [centralizado] durante a coletiva de imprensa hoje, no Ministério Público (Foto: Kisie Ainoã)

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), afirmou em entrevista coletiva no MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) nessa quinta-feira (11) que a Capital possui apenas 5% dos leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) para covid-19 disponíveis no momento. Ao todo, são 317 vagas, com 301 ocupadas.

Ele participou de evento na sede do MP hoje ao lado do procurador-geral Alexandre Magno, do secretário estadual de Segurança Pública, Antônio Carlos Videira, e do presidente regional da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Mansour Karmouche. Além desse dado, eles reforçaram questões já tratadas ontem (10).

"O decreto não proíbe o exercício de nenhuma profissão. Ao contrário, ele dá todas a condições das pessoas trabalharem, só que em horário limitado, das 5h às 20h. Depois, a pessoa descansa", comenta o prefeito.

Divulgado na terça-feira (9), o novo horário do toque de recolher passa a valer a partir de domingo (14), por decreto do Governo do Estado que será obedecido pelas prefeituras de Campo Grande e de Dourados, conforme ambas já anunciaram.

Há também limitação de horário para atividades não essenciais nos fins de semana, das 5h às 16h. Todas as medidas para conter a propagação da covid-19 e reduzir o número de internações em UTIs, que já estão perto do limite devem ser seguidas pelas cidades, como revela o prefeito de Terenos, Henrique Wancura.

"A Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) recomendou que todos sigam [o decreto] e entendemos que é hora de união para amenizar a situação. Alguns municípios discordam, mas recomendamos que seja seguido na íntegra", frisa.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário