A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

13/11/2013 17:54

Caps não tem estrutura e convive com falta de profissionais, avalia defensoria

Bruno Chaves

A Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul constatou diversas irregularidades no Caps-AD (Centro de Atenção Psicossocial – Álcool e Drogas) de Campo Grande. Entre elas, falta de estrutura, paredes mofadas e até falta de médicos e assistentes sociais.

A visita no local foi solicitada pelos defensores públicos Guilherme Cambraia de Oliveira e Regina Célia Rodrigues Magro. Eles foram acompanhados da assistente social da Defensoria Pública, Edilce Pahins Duarte.

“Trabalhamos constantemente com casos relacionados à dependência química, como tratamento e internação compulsória, e, por isso, acreditamos ser fundamental saber como estão funcionando as unidades de apoio e atenção em Campo Grande”, explicou Guilherme Cambraia à assessoria.

As instalações do Caps da Rua Joaquim Murtinho foram apresentadas pela diretora da unidade, a psicóloga Gabriela Silveira Ayres.

Ainda de acordo com Guilherme, a estrutura do Caps-AD está muito precária, pois o prédio é impróprio e apresenta deficiências. Entre as principais irregularidades estão: tamanho do prédio; mofo em vários cômodos; espaço reduzido ao lazer; e falta de materiais para oficinas de terapia ocupacional.

Ausência de profissionais – Na avaliação do defensor público, a situação fica mais crítica com a ausência de profissionais.

Durante a visita, foi possível constatar que o funcionamento das atividades está seriamente comprometido, pois há somente um único médico psiquiatra.

“Esse profissional faz atendimento toda quinta-feira, manhã e tarde, e na manhã de sexta-feira. É pouco. É tão crítico, que só há agendamento para consulta em fevereiro de 2014”, informa.

Dessa forma, o tratamento de muitas pessoas fica inviabilizado. “A Defensoria Pública, por exemplo, tem dificuldade em obter laudos médicos, inclusive para o encaminhamento de internação compulsória [...] então atrasa todo o processo”, destaca.

Os defensores públicos também registraram a ausência de um assistente social na unidade. A Defensoria apurou que o assistente que atendia faleceu no início do ano e até hoje outro profissional não foi contratado.

O Caps-AD informou que existe a possibilidade de a unidade funcionar em outro prédio ainda este ano. A Defensoria Pública do Estado informou a prefeitura sobre as condições do local e aguarda esclarecimentos sobre as irregularidades registradas.

Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...
Concurso recebe inscrições para 83 vagas técnico-administrativas
Seguem abertas as inscrições para o concurso que oferece 83 vagas para técnico-administrativos em Educação na UFMS (Universidade Federal de Mato Gros...
Vice-governadora visita projeto em que detentos reformam escolas
O projeto "Pintando e Revitalizando a Educação com Liberdade", desenvolvido pelo Poder Judiciário estadual, foi conhecido e elogiado na sexta-feira (...
Crianças do Vespasiano Martins recebem Papai Noel e ganham presentes
As crianças do loteamento Vespasiano Martins, na periferia de Campo Grande, receberam a visita especial do Papai Noel neste sábado (16). Foram distri...


Estou esperando a central de consultas me ligar já faz mais de um ano . A desculpa é sempre a mesma, "não tem psiquiatra". Como pode, um Centro de apoio Psicossocial não ter médicos.
 
José Grigoletto em 02/01/2014 20:41:56
CAPS é um serviço de portas abertas e sem agendamento, portanto além da estrutura física, há que se rever também o processo de trabalho desta equipe!
 
Miriam Senghi Soares em 28/11/2013 15:05:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions