A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

05/01/2014 11:49

Chuva de até 63,5 mm deixou rastro de destruição em Campo Grande

Josemil Arruda
Chuva também causou inundação na Av. Júlio de Castilhos (Foto: Ariene Martins)Chuva também causou inundação na Av. Júlio de Castilhos (Foto: Ariene Martins)

A chuva forte que caiu em Campo Grande no início da noite de ontem, com a precipitação tendo chegado a 63,5 milímetros na região do Prosa II, a 55,5 milímetros na região do Hospital Regional e 25 milímetros na região da Universidade Católica Dom Bosco, provocou transbordamento dos córregos e do rio Anhanduí, alagamentos em pelo menos 11 bairros e enxurradas, deixando um rastro de destruição, inclusive com vários veículos arrastados.

Ruas, residências e estabelecimentos comerciais dos bairros Aero Rancho, Jockey Clube, Marcos Roberto, Taquarussu, Jacy, Monte Castelo, Santo Antônio, Guanandi II, Vila Célia, Jardim dos Estados e até do Centro de Campo Grande foram tomadas pelas águas, com os veículos tendo dificuldade para passar pelos pontos alagados. Até mesmo um posto de saúde da prefeitura, do Coronel Antonino, sofreu com a força das águas.

“A rua virou um rio, só não entrou água na minha casa porque meu marido fez uma gambiarra, mas a chuva invadiu residências de vários vizinhos”, testemunhou Janaina dos Santos, 27 anos, residente à Rua São Roque, no Bairro Taquarussu.

Desesperada com o alagamento de sua residência, a moradora Laís da Silva, do bairro Marcos Roberto, chegou a pedir socorro à Defesa Civil, sem conseguir atendimento. “Eles informaram que não tinha como atender, porque a equipe estava reduzida”, disse ela.

Com o transbordamento do rio Anhanduí, várias famílias tiveram de lutar contra a invasão das águas, tentando salvar móveis e objetos pessoais. Foram invadidas pelas águas dezenas de casas e lojas localizadas na Avenida Ernesto Geisel e nas ruas Ouro Verde, Ouro Negro e Bom Sucesso, no bairro Marcos Roberto. Apesar da distância de 60 metros da Avenida Ernesto Geisel, a chuva também alagou a residência de Valdete Monteiro da Silva.

A pluviosidade foi tão elevada que a água invadiu grande parte das casas da região dos bairros Guanandi e Aero Rancho. Uma das casas que ficava a 50 metros da Avenida Gunter Hans foi alagada.

Na Avenida Mato Grosso, esquina com a Rua Bahia, e na região do Guanandi veículos foram arrastados pela enxurrada. Os bombeiros chegaram a socorrer um casal e uma criança que estavam num desses veículos.

Invadindo o Shopping - O Shopping Norte Sul Plaza voltou a sofrer com as chuvas fortes que caíram na Capital. Além da parte atrás do shopping haver uma rua sempre alagada quando há elevada pluviosidade, acabando por invadir o centro comercial, desta vez ainda teve o transbordamento do rio Anhanduí, com suas águas chegando ao estacionamento e penetrando em mais de 10 veículos.

Em alguns casos, a água alcançou os bancos dos automóveis e até o motor, segundo o motorista Sidmar Souza Bitencourt, 26 anos, que estava no Shopping Norte Sul Plaza no momento da inundação. Ele foi ao shopping com a esposa e a filha e, na hora de ir embora, se defrontou com o carro coberto parcialmente pela água. “Fiz uma ocorrência interna e o pessoal da administração se comprometeu a arcar com todos os prejuízos”, afirmou Bitencourt.

Do lado de fora do Shopping, na Avenida Ernesto Geisel, que se transformou em parte do rio Anhanduí no começo da noite de ontem, com o forte temporal, um veículo Corolla foi totalmente encoberto pelas águas.

Vias centrais atingidas – Na noite de sábado, a forte chuva alagou trechos das avenidas Mato Grosso e Ernesto Geisel. Na Mato Grosso, esquina com a Rua Bahia, e na Rua 25 de Dezembro veículos são arrastados pela água e o Corpo de Bombeiros pediu o apoio da Agetran para impedir o trânsito no local. Pessoal da Agetran, porém, não foi visto pela reportagem do Campo Grande News durante e pouco depois do temporal.

A chuva forte, que durou cerca de 20 minutos já alagou casa, no Bairro Monte Castelo, em Campo Grande O Corpo de Bombeiros foi acionado para socorrer as vítimas.

Embora seja localizada em uma região elevada de Campo Grande, a Av. Júlio de Castilhos também sofreu com a inundação, como testemunhou a leitora Ariene Martins.

 

 



O carro da minha namorada quase apagou na Júlio de Castilho, sorte que paramos em um estacionamento (em cima da calçada) que era uma subida.
 
Johnny Chan em 06/01/2014 09:21:33
Eu passei na Julio de Castilho bem na hora desse temporal, fiquei desesperada dentro do meu carro a água batia na metade do meu carro tava todo mundo perdido os motoristas estavam tentando achar uma rua pra sair não tinha parecia que cada rua que a gente andava tava mais cheia do que a outra, imagina só se apagasse o meu carro no meio daquela enxurrada toda quem ia ficar com o prejuízo, e o pior ainda foi passei quase uma hora depois da chuva a rua tava seca que nem parecia que havia chovido, muito irônico não da mesma forma que a água veio ela foi, obras muito mal feitas tanto pela administração passada, como a da administração atual.
 
Haissa Gonzalez em 06/01/2014 08:38:42
Rua alagada nos fundos do shopping Norte Sul Plaza? Sei não! Isso já não acontece mais. O que alaga é uma lateral da Salgado Filho ( final da Japão ) por conta da enxurrada q desce da Salgado Filho mas mesmo assim deixa o homem trabalhar ( hipocrisia).
 
eliane marques em 06/01/2014 03:56:10
TRISTE para nós, os políticos se engalfinhando no parlamento local para ver quem dá mais, para apoiar, e a população ó... cadê os R$ 70.000.000 já aprovado em Brasília para urbanização do anhanduizinho? cadê POLÍTICOS???
 
Elias Antonio Pereira em 05/01/2014 17:21:48
ESSAS SAO OS TIPOS DE QUALIDADES DAS OBRAS DAS ADM ANTERIORES !!!!
 
paulo eduardo sandim em 05/01/2014 16:30:48
Sr Claudinei, isso já acontecia a muito tempo.
 
rosa isabel gil em 05/01/2014 13:29:00
DEIXA O HOMEM TRABALHAR KKKKKKKKKKKKK
 
CLAUDINEI BRAZ DE LIMA em 05/01/2014 12:38:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions