ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, SEGUNDA  27    CAMPO GRANDE 15º

Capital

Com ação suspensa, réu por matar marido da amante é solto

Douglas Pereira Rios alegou legítima defesa em depoimento e deve cumprir medidas cautelares

Por Ana Paula Chuva | 12/04/2024 16:29
Douglas sentado no banco dos réus durante julgamento nesta sexta-feira (Foto: Antonio Bispo)
Douglas sentado no banco dos réus durante julgamento nesta sexta-feira (Foto: Antonio Bispo)

O juiz Aluízio Pereira dos Santos, presidente da 2ª Vara do Tribunal do Júri, decidiu suspender por dois anos o processo em que Douglas Pereira Rios é acusado de matar com golpes de canivete Eli Matias. O réu sentou passou por julgamento nesta sexta-feira (12), aproximadamente dois anos após o crime que aconteceu no Bairro Jardim Noroeste, em Campo Grande.

Conforme a decisão, os advogados de defesa Paulo César Gonçalves Fernandes e Talita Dourado Aquino sustentaram as teses de absolvição por legítima defesa, excesso culposo na legítima defesa, domínio de violenta emoção após injusta provocação da vítima e afastamento da qualificadora.

O Conselho de Sentença por maioria de votos decidiu que Douglas excedeu os limites da legítima defesa e que isso foi por conta de imprudência, ou seja, para os jurados o réu “usou de forma imoderada dos meios necessários ao ferir a vítima diversas vezes no contexto dos fatos”.

Com isso, o homicídio qualificado foi desclassificado para homicídio culposo por imprudência no direito de se defender. O promotor de Justiça Douglas Oldegardo Cavalheiro dos Santos defendeu a condenação do acusado, mas o juiz, após consultar as partes, decidiu suspender o processo por dois anos.

No entanto, Douglas deverá cumprir algumas medidas cautelares como não frequentar bares e similares, não sair da cidade sem autorização judicial, comparecer mensalmente em juízo da execução penal e reparar o dano causado à vítima caso a família procure a justiça cível pedindo indenização.

O magistrado ainda determinou que o alvará de soltura de Douglas seja expedido e que o canivete usado no crime seja encaminhado para a destruição.

Corpo da vítima coberto por lençol no local onde foi morto (Foto: Arquivo | Direto das Ruas)
Corpo da vítima coberto por lençol no local onde foi morto (Foto: Arquivo | Direto das Ruas)

Relembre - A vítima foi atingida por 14 facadas nas costas, tórax e braço. Ele foi encontrado caído na Rua Piraputanga, na madrugada do dia 8 de outubro de 2022. A esposa do homem estava no local com sinais de embriaguez e contou que havia sido vítima de roubo, mas que Eli reagiu e acabou ferido por dois homens.

Investigadores do GOI (Grupo de Operações e Investigações) da Polícia Civil encontraram uma pasta perto do corpo de Eli com vários documentos de Douglas e foram até a casa do homem que estava muito machucado e foi levado para atendimento médico. Ele também afirmou ter sido roubado.

No entanto, durante atendimento, Douglas contou que tem um relacionamento com a esposa de Eli, mas que não sabia que a mulher era casada e naquele dia eles estavam voltando para casa quando ele foi atacado pela vítima, que estava com uma faca na mão.

Segundo o depoimento de Douglas, ele conseguiu tirar a faca de Eli e se defendeu, fugindo em seguida e largando seus pertences no local do crime. Com a confissão, ele foi preso em flagrante por homicídio qualificado por motivo fútil.

Na delegacia, ele alegou que agiu em legítima defesa, mas teve a prisão preventiva decretada pela Justiça.

Roupa usada por Douglas quando cometeu o crime em 2022 (Foto: Arquivo | Direto das Ruas)
Roupa usada por Douglas quando cometeu o crime em 2022 (Foto: Arquivo | Direto das Ruas)

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias