ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
ABRIL, TERÇA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

"Consciente da inocência", defesa de Jamilzinho desiste de transferir júri

Jamil Name Filho e mais dois réus serão julgados por assassinado de universitário em julho

Aline dos Santos | 17/06/2023 15:06
Matheus Coutinho Xavier, 19 anos, foi morto em abril de 2019. (Foto: Reprodução)
Matheus Coutinho Xavier, 19 anos, foi morto em abril de 2019. (Foto: Reprodução)

Preso na operação Omertà, Jamil Name Filho, o Jamilzinho, desistiu do pedido para transferir o júri popular de Campo Grande para o interior de Mato Grosso do Sul. A defesa comunicou a desistência ao TJ-MS (Tribunal de Justiça) na sexta-feira (dia 16). Ele e mais dois réus vão a julgamento no dia 17 de julho pela execução do universitário Matheus Coutinho Xavier, 19 anos.

“Jamil Name Filho, por seus advogados constituídos, em que pese a perseguição midiática que tem sofrido, mas em respeito à Justiça e consciente de sua inocência, requer a desistência do pedido de desaforamento”, diz o pedido.

Na sequência, o desembargador Luiz Claudio Bonassini da Silva homologou a desistência e arquivou o pedido para que o júri fosse transferido da Capital.

A defesa de Jamilzinho pediu desaforamento, quando um júri é transferido para cidade diversa de onde ocorreu o crime, por considerar que o réu entraria no Fórum de Campo Grande “já condenado”, que há “indisfarçável ódio” da sociedade campo-grandense contra a família Name e que houve “massacrante trabalho na imprensa”.

Jamil Name Filho durante audiência da operação Omertà. (Foto: Reprodução)
Jamil Name Filho durante audiência da operação Omertà. (Foto: Reprodução)

A investigação apontou que Matheus Coutinho Xavier, 19 anos, foi morto por engano em 9 de abril de 2019, no Jardim Bela Vista, em Campo Grande. O verdadeiro alvo era o pai do jovem, o ex-policial militar Paulo Roberto Teixeira Xavier e desafeto do grupo comandado por Jamil Name e o filho.

Ao todo, eram seis réus. Jamil Name morreu de covid; José Moreira Freire, o “Zezinho”, foi morto em troca de tiros com a Polícia Militar em Mossoró; enquanto Juanil Miranda nunca mais foi visto.

Além de Name Filho, também vão a júri o ex-guarda municipal Marcelo Rios e o policial civil Vladenilson Daniel Olmedo.

Nos siga no Google Notícias