ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, TERÇA  25    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Contra JBS, moradores garantem que cheiro não vem do lago de fábrica de bebidas

JBS atribuiu mau cheiro a Refriko, fábrica de bebidas, há 2,4 quilômetros de distância do frigorífico

Por Natália Olliver | 16/05/2024 12:50
Lago da fábrica de refrigerantes Refiko, no bairro Nova Campo Grande, na Capital (Foto: Henrique Kawaminami)
Lago da fábrica de refrigerantes Refiko, no bairro Nova Campo Grande, na Capital (Foto: Henrique Kawaminami)

Moradores ao redor das fábricas de carnes JBS e Refriko - de refrigerantes, energéticos, cervejas e destilados -, dizem que podridão no bairro Nova Campo Grande não é causada pelo lago da fábrica de bebidas. O frigorífico atribuiu o odor ao vizinho, localizado na Avenida Annes Salim Saad, no Núcleo Industrial, em Campo Grande. A distância entre as fábricas é de aproximadamente 2,4 quilômetros.

A dona de casa, Rosângela da Silva, de 41 anos, conta que não sabe dizer se o odor é de queimado ou azedo. “Tem o lago ali, mas acredito que não seja dele o fedor. Isso acontece quando eles soltam fumaça pela chaminé, chega a queimar o nariz, é muito forte”

Ela mora há 14 anos no local e acrescenta que, se fosse do lago, conseguiria sentir mais perto. “A situação piora quando o frio chega, parece que fica mais forte. É horrível, fora as moscas que vem junto”.

Rosângela da Silva, moradora vizinha de fábrica de bebidas (Foto: Henrique Kawaminami)
Rosângela da Silva, moradora vizinha de fábrica de bebidas (Foto: Henrique Kawaminami)

João Augusto Pereira, de 57 anos, outro vizinho da fábrica de bebidas, está há 8 no lugar. Ele se considera sortudo em não sentir o cheiro forte e também acredita que o lago não seja o responsável.

“Pelo menos na minha casa o cheiro não chega. Acho que dei sorte de morar num bolsão. Mas quando eu preciso ir ao mercado, padaria aqui do bairro, aí eu sinto mau cheiro. O problema é que a gente vive em volta dessas empresas e acaba sofrendo com isso. Desde que cheguei aqui sempre foi assim”.

Já a moradora, que não quis se identificar, está há três anos próximo ao lago. Para ela, o fedor é originado das águas formadas por restos de resíduos. Ela pontua que a situação já “estampou”, visitas da casa.

“O lago solta um cheiro forte principalmente no final da tarde. Não é toda hora que fede, mas às vezes sim e incomoda bastante. Porém acho que já me acostumei, só lembro do cheiro quando vem alguém na minha casa e comenta sobre o fedor. Mas querendo ou não é complicado. É um cheiro que vem de tudo quanto é lado”.

Mapa com imagem de satélite apontado a localização da JBS e da Lagoa da Refriko (Foto: Reprodução)
Mapa com imagem de satélite apontado a localização da JBS e da Lagoa da Refriko (Foto: Reprodução)

JBS - O frigorífico elaborou um relatório apresentando as medidas utilizadas para neutralizar a emissão de odores em suas operações, mas também atacou a vizinha, Refriko.

“Importante registrar que a percepção de odores para além dos limites do empreendimento e subjetiva e pode ser afetada pela existência de outras fontes de emissão de substâncias odoríferas, o que ocorre na região, uma vez que o frigorífico está localizado em região onde estão localizadas outras indústrias, como curtume, graxaria e estação de tratamento de esgoto doméstico”, pontuou a JBS no relatório de ações desenvolvidas pela empresa.

Diante de uma série de ações exigindo compensação por danos morais e materiais para residentes do Bairro Nova Campo Grande, a defesa, a defesa da JBS contestou os processos, alegando que os advogados dos moradores estão praticando litigância predatória e má-fé.

Foram encontradas mais de 50 ações indenizatórias com a mesma causa e ajuizadas pelo mesmo escritório de advocacia “com contornos explícitos de litigância predatória” e “dispersando a discussão em inúmeros juízos, o que dificulta sobremaneira o direito de resposta”.

Resposta - O dono da Refriko, não recebeu a equipe de reportagem e disse que estará disponível apenas nesta sexta-feira (17) para esclarecimento das acusações.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias