ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 26º

Capital

Decisão no júri de hoje pode suspender ação contra prefeito de Alcinópolis

Francisco Júnior e Nadyenka Castro | 24/02/2012 14:45

Julgamento de pistoleiro e intermediário do crime está sendo realizado nesta sexta-feira

Pistoleiro mantém versão de vingança. (Foto: Marlon Ganassin)
Pistoleiro mantém versão de vingança. (Foto: Marlon Ganassin)

Ação contra o prefeito afastado de Alcinopolis , Manoel Nunes da Silva (PR), que tramita no TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) em que ele é acusado de ser o mandante do assassinato do vereador Carlos Antônio da Costa Carneiro, morto em 26 de outubro de 2010, em Campo Grande, pode ser suspensa caso júri entenda que o crime não teve mando.

Estão sendo julgados nesta sexta-feira (24), no Tribunal do Júri da Capital, o pistoleiro Irineu Maciel, assassino confesso do vereador e Valdemir Vansan, apontado como contratante da execução. Em depoimento, o pistoleiro negou que tenha sido contratado e que matou o vereador por vingança. Ele disse que em uma ocasião pediu ao vereador que pagasse a ele uma passagem para Campo Grande, porém Carneiro se negou a pagar e ainda o chamou de vagabundo.

O promotor do caso, Douglas dos Santos, considerou essa versão uma fábula, ou seja, uma história inventada por Irineu. Ele enfatizou, durante sua fala, que o prefeito foi o mandante do crime. “Amanhã desemboca no STJ (Supremo Tribunal de Justiça) o habeas corpus falando que os réus foram condenados sem mando, e assim acaba com ação contra ele (prefeito)”.

O assistente de acusação, advogado Ricardo Trad, destacou também o envolvimento de três vereadores no crime. “Nesse caso temos vários mandantes: o prefeito municipal como principal mandante, três vereadores que queiram assumir a mesa da Câmara municipal intermediado por Valdemir que pegou o pistoleiro”, afirmou o assistente de acusação, Ricardo Trad.

Para o advogado, o assassinado do vereador foi crime de mercenário. “ Pela ânsia, pelo poder para calar a voz de um vereador que estava denunciando as falcatruas de um prefeito. Caso eles não sejam condenados por crime de mando é a abrir um sério precedente para os piores tempos em que a lei do 38 vigorava no Estado de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul”, ressaltou.

Durante a investigação do caso, foi oferecida a Irineu a deleção premiada, mas mesmo assim ele não citou os mandantes do crime e manteve a versão de vingança.

O julgamento prossegue no período da tarde.

Nos siga no Google Notícias