ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, QUINTA  16    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Estelionatária “loira e alta” é presa após cobrar 1.200 por corrida que valia 8

No começo da semana, uma mulher já havia registrado boletim de ocorrência contra a golpista

Por Viviane Oliveira | 17/06/2021 10:35
Giovana em foto que aparece com o cabelo escuro. (Foto: reprodução Facebook)
Giovana em foto que aparece com o cabelo escuro. (Foto: reprodução Facebook)

Foi identificada como Giovana Rodrigues Nakasato, 34 anos, a motorista de aplicativo “loira e alta”, que vinha aplicando golpe na região central de Campo Grande. Ela acabou presa ontem, mas foi liberada hoje e vai responder ao processo em liberdade.

A investigada, segundo a polícia, oferecia corrida para as vítimas no valor de R$ 8 e na hora de passar a quantia na máquina de cartão cobrava de R$ 200 a R$ 1.500. Ao ser presa, a suspeita se disse arrependida e chegou a devolver o dinheiro para uma das vítimas.

Giovana foi detida em casa logo depois de aplicar mais um golpe, por volta das 14h de ontem (16). A vítima de 71 anos contou que estava com o esposo na Rua 15 de Novembro, em frente à farmácia, quando os dois foram abordados pela mulher, “loira e alta”, perguntando se o casal aguardava Uber. Eles disseram que sim. A golpista, então, disse que também era motorista de aplicativo e cobraria apenas R$ 8 pela corrida.

Os idosos aceitaram e ao desembarcarem, na Rua Marechal Rondon, próximo ao posto Taurus, usaram o cartão de débito para pagar, porém perceberam que havia sido debitado da conta deles R$ 1.200. A vítima conseguiu tirar uma foto da placa do carro da golpista, um Renault Sandero, de cor prata com placa QXV 3H01, e registrar boletim de ocorrência. Com as informações em mãos, os policiais passaram a investigar e descobriram que o carro pertencia a uma locadora de veículos.

Valores que a golpista passava na máquina de cartão (Foto: Reprodução / auto de prisão em flagrante)
Valores que a golpista passava na máquina de cartão (Foto: Reprodução / auto de prisão em flagrante)

Após a empresa identificar Giovana e informar o endereço dela, os policiais foram até a casa da suspeita, na Vila Piratininga, e encontraram o carro estacionado na calçada. Os policiais chamaram o morador e foram recebidos pela suspeita. Indagada, ela confessou o crime e se mostrou arrependida. Pediu à equipe policial que a levasse até um banco 24h para fazer o saque e devolver os valores para as vítimas.

Na delegacia, segundo o auto de prisão em flagrante, a mulher disse que trabalhava como motorista de aplicativo há 2 anos e 6 meses e tem contrato de locação com a empresa de aluguel de veículos desde dezembro de 2019. Ela contou ainda que tem o hábito de oferecer seus serviços de motorista “por fora”, abordando possíveis clientes que estão a espera de uma corrida de aplicativo.

Confirmou que havia feito uma corrida e cobrado R$ 8, mas no momento de digitar o valor decidiu cobrar a quantia de R$ 1,2 mil. Relatou ainda que há uma semana vem aplicando os golpes e se recorda apenas de três, além do já citado acima, a mulher passou R$ 200 e R$ 1500 em corridas que cobraria R$ 8. Assista, abaixo, um dos golpes aplicados pela "loira e alta".

Matéria do Campo Grande News publicada no mês passado mostra um dos casos em que merendeira, de 46 anos, perdeu R$ 1.200, todo o salário que havia acabado de receber, após cair no golpe de falsa motorista de aplicativo. Ela só descobriu que havia perdido o dinheiro, quando tentou pagar contas.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário