A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

09/11/2013 08:14

Dois anos após pacificação, Pró-Morar volta a sofrer com a violência

Filipe Prado
Moradores dividem opiniões sobre a violência no bairro (Foto: Marcos Ermínio)Moradores dividem opiniões sobre a violência no bairro (Foto: Marcos Ermínio)

Após a pacificação, o Bairro Pro-morar volta a ter fase violenta. Os moradores reclamam que a criminalidade retornou ao cenário do bairro, mas desta vez ainda mais elevada, com bandidos andando com armas em plena luz do dia e até “feirinha” de drogas em frente à escola.

Em agosto de 2011, cerca de 300 policiais militares adentraram ao Bairro Vila Nhá-Nhá e redondezas, para diminuir incidência de crimes na região. Dois anos depois, os moradores do Bairro Pro-morar, que também participou da pacificação, reclamam da volta da criminalidade. “A violência voltou e ainda pior”, comenta R.J, que, com medo, não quis se identificar.

Segundo os moradores, no bairro há até uma “feirinha” onde os traficantes vendem as drogas. “Eles se reúnem, ficam umas seis pessoas vendendo drogas, o dia todo. Os moradores conhecem aquele lugar como uma feirinha”, comenta um outro morador, identificado apenas como Pedro.

Ele comenta que já tentou sair do bairro, mas as casas perderam o valor imobiliário, por conta da violência na região. “Eu já tentei me mudar daqui, mas nossos imóveis ficam sem valor. Não posso deixar “de graça” pra outra pessoa”, frisa.

R.J. confirma que até em frente às escolas são vendido drogas, e os traficantes se vestem como alunos, para despistar a polícia. “Na frente da escola Padre Heitor Castoldi, ficam vários traficantes vendendo drogas o dia todo e com uniformes escolares, pois quando a polícia passar, ela pensa que eles são estudantes, então não desconfiam”, denuncia.

Muitos moradores sentem medo da violência, mas também estão acostumados com a situação no bairro. “Cerca de 70% dos moradores são coniventes com a situação, pois fazer parte de algum esquema ou alguém da família faz parte, então eles acabam tendo medo de falar algo”, explica Pedro.

Eles também comentam que ficam com medo por conta de outras situações que já aconteceram no bairro. “Um vizinho meu teve a casa toda apedrejada, ele passou por um grande sufoco. E teve uma vez que mataram dois em uma só noite aqui. Por isso temos medo”, relata Pedro.

Outro ponto de vista - Mas também há quem goste do bairro e não vê a violência um ponto grave na região. “Eu gosto de morar aqui, nunca nada acontece comigo e nem com a minha casa, pode ser que acontece em outro lugar, mas comigo nunca aconteceu”, comenta Diana Priscila, 30 anos.

Lurdes Ribas, há mais de 25 anos na região, também acha o bairro muito tranquilo. “Não acho um bairro violento, já vi algumas coisas aqui, mas nada que eu venha considerar este bairro violento”, relata.

Ela diz que acha um bairro normal, mesmo que tenham algumas pessoas que consumam drogas perto da casa dela. “Não vejo o que assusta tanto as pessoas neste bairro, em todos os lugares há pessoas consumindo drogas, até em frente de casa a pessoa vende. Toda vez que venho da igreja, lá pelas 22h, passo por essas pessoas, mas é só não incomodá-las”, explica Lurdes.

Polícia Militar – Segundo o major da Polícia Militar Juracy Pereira da Paz, o policiamento na região continua intensificado, principalmente, depois das denúncias de furtos de motos no Shopping Norte Sul Plaza. “As operação na região estão sendo feitas e intensificadas, e vejo que tem diminuído o número de ocorrências na região”, relata.

Ele explica que para acabar com a violência na região, a polícia precisa da ajuda da população, para saber quais pontos que precisam ser reforçados. “Nós pedimos que a população entrasse em contato com nossos comandantes, pois eles precisam saber quais pontos que devem ser reforçados, que precisam de melhorias no policiamento”, comenta o major Juracy.



essa é a herança que o nosso ex radialista e hoje prefeito de campo grande nos deixou, grande parte dos viciados e vendedores de drogas, que também roubam para sustentar o vício, vieram da região da antiga rodoviária, e que fez uma campanha ferrenha pra retirada deles de lá foi o Alcides Bernal, quando apresentava o programa da tv.
 
Wilson Galeano em 09/11/2013 21:23:07
O povo se faz de desinformado! Certeza que 99,99% dos criminosos presos pelos policiais em 2011 no arrastão contra o crime foram "LIBERTADOS" pelo judiciário! Se vão por os criminosos na rua, porque dar ao policial o trabalho e por a própria vida em risco para prendê-los? O crime aumenta porque o judiciário e os políticos são coniventes! Cabe aos morados não pediram mais policiamento e sim que os criminosos fiquem na cadeia! Crime julgado com pena menor de 5 anos fica em liberdade, saídas especiais e liberdade com 1/6 da pena cumprida é humilhar as vítimas e chamar o contribuínte(o povo que paga esta palhaçada) de "burros"! A maior forma de protesto é o número de votos nulos ser maior que o de válidos nas eleições!
 
Alexandre de Souza em 09/11/2013 20:36:48
Sempre digo que só existem traficantes nessas comunidades se os moradores quiserem, se não quiserem é fácil tirá-los de lá. Agora, se os moradores estiveram ganhando algum "agrado" ou a maioria participar do esquema os traficantes vão permanecer, então, não há que reclamar. É simples assim.
 
Jorge Souza em 09/11/2013 17:59:15
caro amigo vc foi muito infeliz no seu comentário. na vila nhanhá tem muita gente trabalhadeira! que não tem tempo de cuidar da vida dos outros! se policia faz vistas grossas.
 
Lucilia corvalan em 09/11/2013 17:44:38
MORO NA VILA NHÁ NHÁ,NÃO CONCORDO COM ESTE COMENTÁRIO QUE SÓ TEM MARGINAL,FUI CRIADO NA VILA,E NUNCA TIVE PASSAGEM NA POLICIA,ENTÃO,NÃO VAMOS GENERALIZAR
 
DANIEL SOARES em 09/11/2013 13:07:46
O negócio tá feio mesmo, os caras andam armados à luz do dia, a droga rola solto e apesar de tudo, nada de concreto está sendo feito. Com certeza, os comandantes e diretores das polícias, sabem o que fazer, mas esbarram na total falta de meios humanos e materiais. Enquanto não se tratar segurança pública como investimento e não como moeda de pré eleição, a situação continuará a mesma. Se analisarmos, toda Campo Grande está sofrendo com a falta de policiamento preventivo, visto que a polícia não dá conta de atender as ocorrências em andamento.
 
Valter Oliveira em 09/11/2013 12:48:59
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions