ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SÁBADO  18    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Em disputa com MST e CUT, Fetagri protesta no Incra por mais lotes

Por Aline dos Santos e Zana Zaidan | 23/12/2013 11:05
Acampados da Fetagri querem mais lotes em novo assentamento. (Foto: Cleber Gellio)
Acampados da Fetagri querem mais lotes em novo assentamento. (Foto: Cleber Gellio)

Paralisada há quatro anos, a retomada da reforma agrária em Mato Grosso do Sul provocou disputa interna entre as entidades representativas dos sem-terra.

O novo assentamento, no distrito de Anhanduí, BR-163, foi aberto na sexta-feira e, nesta segunda-feira, já motivou protesto da Fetagri (Federação dos Trabalhadores na Agricultura) na sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), em Campo Grande.

Liderando um grupo de 40 pessoas do acampamento União da Paz, Maria Conceição Dimiciano, de 59 anos, conhecida como Dona Cida, afirma que a expectativa era que ao menos 32 das 64 famílias ligadas à federação fossem contempladas no assentamento Nazaré.

Segundo ela, apenas 11 famílias ganharam lotes. A líder reclama que a maioria dos selecionados é do MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra) e CUT (Central Única dos Trabalhadores).

O grupo se reuniu com representante da Divisão de Obtenção de Terras do instituto. A promessa foi avaliar a reclamação das famílias e dar resposta no dia 8 de janeiro. Caso o impasse permaneça, Dona Cida diz que os sem-terra vão acampar no Incra, que recentemente foi transferido da avenida Afonso Pena para o Shopping Marrakech, localizado na rua 25 de Dezembro.

“A gente quer resposta concreta, não tem condições de ficar mais cinco anos lutando por um pedaço de chão. Estamos acampados desde 2009, mas peregrinamos desde 2005”, relata.

Superintendente do Incra, Celso Cestari admite que a distribuição de lotes tem sido bastante questionada. “Mas é preciso respeitar a pontuação”, diz. Os pontos são definidos de acordo com tempo acampado e produção.

“Agora, acabou o tempo em que o movimento social indicava a família. Os movimentos são legítimos, mas temos que cumprir a lei”, salienta Cestari. Segundo ele, o instituto atua para desapropriação de áreas, com assentamento gradativo das famílias acampadas.

Desde 2009, quando a PF (Polícia Federal) realizou a operação Tellus, o Incra não desapropriava ou comprava terras para criação de novos assentamentos. No final de 2012, depois de trabalhar levantando a situação de lotes ocupados irregularmente, conforme ordem da Justiça, o Incra recuperou a função de criar assentamentos.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário