ACOMPANHE-NOS    
MAIO, SÁBADO  08    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Em palestra sobre sexualidade, criança diz que era abusada pelo pai

Menina começou a chorar e contou para líder espiritual que pai a acariciava

Por Clayton Neves e Mariana Rodrigeus | 23/03/2021 11:49
Crime foi registrado na Deam (Delegacia Especializada de Proteção à Mulher), em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)
Crime foi registrado na Deam (Delegacia Especializada de Proteção à Mulher), em Campo Grande. (Foto: Henrique Kawaminami)

Durante palestra sobre sexualidade em um retiro espiritual, menina de 10 anos revelou que era abusada sexualmente pelo pai, um homem de 29 anos. O caso, registrado como estupro de vulnerável, aconteceu no Bairro Anache, em Campo Grande, e foi denunciado nesta segunda-feira (22) pela avó da vítima.

À polícia, a avó contou que já havia notado comportamento estranho da neta, que segundo ela, chorava bastante e se recusava a ir para a casa do pai. No dia 12 de março, durante retiro da igreja, a menina participou de roda de conversa sobre sexualidade e deixou evidente o que enfrentava em casa.

“Ela ficou muito abalada e começou a chorar. Depois conversou com a líder da igreja e contou que o pai tinha atitudes que ela não gostava”, explica a delegada Fernanda Piovano, que registrou o caso.

Segundo a garota, quando ia para casa do pai, o suspeito aproveitava para apalpá-la enquanto a madrasta e o irmão mais novo não estavam. Em algumas ocasiões, a menor de idade afirmou que ele a deitava no colo enquanto a acariciava.

Depois de descobrir sobre o abuso, a líder religiosa orientou a menina a contar sobre o crime à família e também conversou com parentes da vítima. A avó soube de tudo assim que chegou de viagem nesta segunda-feira  “Ela contou tudo para a avó chorando e disse que não queria mais ir para a casa do pai”, relata a delegada.

Como não foi configurado flagrante, o suspeito não foi preso, no entanto, será chamado para prestar depoimento nos próximos dias.

O crime foi registrado na Deam (Delegacia Especializada de Proteção à Mulher) e será investigado pela Depca (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário