A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

01/09/2013 12:16

Em protesto, pais cobram lei que obriga escolas a aceitarem autistas

Jéssica Benitez
Manifestação pede respeito aos direitos de pessoas com autismo (Foto: João Garrigó)Manifestação pede respeito aos direitos de pessoas com autismo (Foto: João Garrigó)

Pais e amigos de crianças autistas reuniram-se no cruzamento da Avenida Afonso Pena com a rua 13 de maio, no Centro de Campo Grande, para reivindicar que a Lei 12.764, sancionada em 27 de dezembro de 2012, saia efetivamente do papel. Ela institui a Política Nacional de Proteção aos Direitos das Pessoas com Transtorno do Espectro Autista.

Entre os artigos principais, está a obrigatoriedade de escolas públicas e privadas receberem crianças com autismo, independente do nível do transtorno, a inclusão destas pessoas no mercado de trabalho, bem como o acompanhamento multiprofissional na saúde e o acesso aos medicamentos e nutrientes necessários.

Para se ter ideia da dificuldade enfrentada por familiares de crianças com autismo basta conhecer o caso da jornalista Carolina Alves Correa. Ela tem dois filhos autistas, ambos com seis anos de idade, e já teve a matricula das crianças negada por seis escolas particulares na Capital.

“Eles alegam que não têm capacitação para recebê-los”, explicou. Depois de tantas negativas, ela conseguiu colocar um em uma escola municipal e o outro em instituição de ensino particular. Mesmo assim, ambas as escolas não ensinam as crianças de forma adequada.

“Já tive que custear curso para professoras, além disso, eles pensam que podem inseri-los na escola colocando uma estagiária para tomar conta deles. É como se a presença deles num espaço físico fosse o suficiente”, contou a mãe.

O presidente do CREA/MS (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso do Sul), Jary de Carvalho e Castro, estava no manifesto. “Independente de vetos, o importante agora é que se faça uma análise profunda e que a lei comece a funcionar”, avaliou.

Para mobilizar quem passava pelo cruzamento, os manifestantes esperavam os carros pararem no sinal vermelho, distribuíam fitinhas azuis e exibiam faixas com explicações sobre a reivindicação.



Ninguem tá falando que o professor tem que cumprir com tudo, quem tem que cumprir é a escola, e por favor os professores aptos a receber crianças com autismo tem que ser treinado para isso, não adianta as escolas receberem o aluno e colocarem com o professor normal que a criança vai ter problemas, vai ser judiada ou ignorada, toda escola devia ter no minimo dois professores treinados para lidar com crianças com problemas, seja de autismo ou qualquer outra anomalia.
 
MAXIMILIANO RODRIGO ANTONIO NAHAS em 02/09/2013 09:00:29
gostaria aqui de deixar meu agradecimento a essa luta pelos direitos dos autistas. tenho um filho com espectro autista e acreditem, foi uma luta conseguir a professora auxiliar para ele, tive que fazer um requerimento explicando que era um direito para então conseguir garanti-lo.
 
Alessandra Rossi Caceres Mendonça em 02/09/2013 07:50:03
A Lei é importante mas... a corda não pode arrebentar somente para o lado do Professor que tem de cumprir (sózinho) com todos os problemas da Educação.
Os pais (muitos) só querem deixar o filho na escola e... esta que se vire.
A solução deve ser discutida por todos os envolvidos para se achar o melhor caminho e não apenas "faça-se cumprir a lei".
Vamos lutar para a inclusão social do autista... sem necessáriamente prejudicar e sobrecarregar os trabalhos do professor.
 
Nivaldo Silva em 01/09/2013 18:19:18
Esta situação é muito difícil e não são só autistas, há outros problemas, entretanto acredito que deveríamos exigir dos Governos escolas especiais para as crianças q/ têm autismo ou asperger, pois necessitam de ambiente adeq/ e profissionais especializados p/ lidar com elas. Escolas especiais para esses portadores não quer dizer excluí-los da sociedade, mas sim dar oportunidade para que tenham um acompanhamento digno. A sociedade está cada vez mais consciente de que deve respeitar o ser humano, pois os desafios estão em todas as famílias seja por uma doença genética ou adquirida pelo meio em que vivemos, acidentes, drogas, enfim, tudo pode acontecer com qualquer um. Não podemos apenas "colocar" um criança na escola, é preciso cuidar dela, dar-lhe a oportunidade de viver com respeito e amor
 
Miriam de Castro em 01/09/2013 15:09:33
Temos 2 problemas nessa situação, o 1º o pai deixa de informar que o filho tem necessidades especiais e o matricula em salas lotadas, (quando a criança é especial as salas de aula são reduzidas e tem professores auxilares) e quando isso acontece a criança fica sem assistência pois o próprio pai não informou a necessidade, e outro ainda mais grave as escolas NÃO ESTÃO adequadas a receber essas crianças, são salas de 38 a 40 alunos, nenhum funcionário é treinado adequadamente para atendê-los e muitos outros pais (e alguns professores) rejeitam a ideia de ter criança especial na turma de seus filhos ou em sua turma. Enfim a inclusão no Brasil é só nas novelas.
 
Anna Gonçalves em 01/09/2013 12:40:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions