ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, QUARTA  19    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Escola onde aluno se feriu começa dia com debate sobre uso de armas

Para eles, a instituição de ensino não teve culpa do ocorrido com o aluno

Ricardo Campos Jr. e Danielle Valentim | 18/10/2018 07:34
Movimentação de alunos nesta quinta-feira no Colégio Adventista (Foto: Daniele Valentin)
Movimentação de alunos nesta quinta-feira no Colégio Adventista (Foto: Daniele Valentin)

O caso do menino que deu um tiro na própria perna ao levar a arma do pai na escola não afetou a rotina do Colégio Adventista de Campo Grande, onde o incidente aconteceu. Para os pais que deixavam os filhos no local nesta quinta-feira (18), a instituição não teve culpa do ocorrido, mas a situação abre margem para o debate sobre a liberação do porte de armas.

“Ficamos preocupados nesse momento com esse discurso de ódio durante a campanha eleitoral, mas eu sou da seguinte opinião: se a pessoa quiser ter uma arma, ela tem um direito de ter. No meu caso, não teria. O que aconteceu na escola não passou de uma fatalidade”, opina a administradora Adeli Santos, mãe de um estudante do Adventista.

Já a advogada Ivone Conceição da Silva pensa diferente. “Eu fico preocupada com essa situação, mas trato isso como acidente. A culpa não é da escola. Com relação ao porte de arma, sou contra, totalmente contra. O acesso a elas vai piorar a situação e os pais que trabalham com o uso de armas devem ter mais cuidado”.

Márcio diz ser a favor de Bolsonaro, mas discorda da opinião do candidato sobre a liberação das armas (Foto: Daniele Valentim)
Márcio diz ser a favor de Bolsonaro, mas discorda da opinião do candidato sobre a liberação das armas (Foto: Daniele Valentim)

Missionário da Primeira Igreja Batista da Capital, Márcio Ricti trabalha há 26 anos no presídio e diz conhecer de perto a situação do porte de armas.

“Sou a favor do candidato Jair Bolsonaro, mas discordo quanto ao porte de armas para o cidadão de bem. Sei como que isso acaba, conhecendo o que a arma pode fazer, sei que a liberação aumentaria os casos de feminicídio e homicídio dentro das famílias, por exemplo”, completa.

Risco - O pequeno, de 9 anos, é filho de um agente da perícia da Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública). Entrou com a pistola modelo 640 no colégio, escondida dentro de uma lancheira.

O tiro acertou a própria perna e o pé do garoto. Ele foi socorrido em uma ambulância particular da empresa Qualisalva e levado para o Proncor e depois para o Prontomed da Santa Casa de Campo Grande. Seu quadro clínico é considerado estável.

Em nota, a direção lamentou o ocorrido e informou que “está prestando a assistência necessária à criança, à família e à polícia na investigação”.

O comunicado diz que o socorro foi chamado imediatamente, enquanto os demais colegas foram encaminhados para outra sala, onde ficaram em segurança. “A segurança e bem-estar emocional dos alunos é preocupação primordial neste momento. Os alunos que presenciaram o ocorrido e todos os que sentirem necessidade terão atendimento psicológico”.

Nos siga no Google Notícias