A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 15 de Outubro de 2019

09/05/2016 16:31

Esvaziado, movimento ainda aguarda resposta da Prefeitura sobre reajuste

Antonio Marques
Assembleia dos professores realizada nesta tarde na sede da ACP (Foto: Fernando Antunes)Assembleia dos professores realizada nesta tarde na sede da ACP (Foto: Fernando Antunes)

A greve dos professores entra na segunda semana com menor adesão que no início e sem resposta da Prefeitura de Campo Grande. O prefeito, Alcides Bernal (PP), vem “cozinhando” o comando do movimento, marcando reuniões seguidas, mas sem objetividade e adiando a decisão de fato. Com isso, a paralisação que não conseguiu arregimentar 30% da categoria, está ainda mais esvaziada.

Desde que reassumiu a prefeitura, Alcides Bernal tem “enrolado” os professores sem efetivamente apresentar uma proposta concreta à categoria. No ano passado, a greve durou quase três meses e nenhum resultado positivo, a não ser o desgaste junto à base, que não conseguiu uma proposta, mesmo que parcelada, da reposição de 13,01% referente ao piso salarial nacional.

A partir do final de agosto de 2015 até o momento mais de 15 reuniões ocorreram entre a direção da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública) e a comissão de negociação da prefeitura na busca de uma proposta de reposição salarial à categoria, mas até o momento nenhum acordo foi concretizado.

O prefeito, sem conhecimento do sindicato, chegou a enviar um projeto de lei à Câmara Municipal em cima do encerramento do prazo para revisão salarial conforme a legislação eleitoral. Como não havia acordo com os servidores, os vereadores reprovaram o projeto e o funcionalismo ficou sem a possibilidade de receber 9,57% de reajuste neste ano.

Além da reposição do ano passado, os professores ainda vão ficar sem receber 11,36%, índice de reajuste do piso salarial referente 2016, pois o prefeito argumenta que a legislação eleitoral não permite reposição maior que a inflação do ano corrente da eleição e propôs novo projeto de lei ao Legislativo com 2,79% de reposição.

Conforme o presidente da ACP, Lucílio Nobre, a categoria deliberou um escalonamento para que a prefeitura se comprometa a pagar os dois reajustes até setembro de 2017, considerando a existência da lei federal que obriga o pagamento da reposição. E no projeto encaminhado à Câmara Municipal seja incluído o índice até o mês de abril. Em vez de 2,79%, seria 3,28%.

Entretanto, a prefeitura havia marcada reunião para sexta-feira de manhã e adiou definição para o período da tarde. Depois deixou para hoje cedo e novamente postergou uma resposta para o final da tarde, após as 17h30.

Reunidos em assembleia geral no início dessa tarde, a categoria decidiu pela manuntenção do movimento grevista e deliberou atividades para a manhã desta terça-feira, 10, nos bairros na saída para São Paulo. No período da tarde eles voltam a se reunir para nova definição sobre o futuro da greve.

Após lançar maconha na Máxima, dupla é perseguida e presa pela polícia
Dois homens, de 27 e 29 anos, foram presos nesta segunda-feira (14) após jogarem tabletes de maconha por cima do muro do presídio de segurança máxima...
Adolescente de 16 anos é apreendido com 95 papelotes de droga no Tiradentes
Um adolescente, de apenas 16 anos, foi preso ao ser flagrado com 95 papelotes de cocaína no Bairro Tiradentes, em Campo Grande. Os policiais civis d...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions