ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUARTA  22    CAMPO GRANDE 24º

Capital

Fase inicial da rede de proteção, escuta de crianças "dorme" no papel há 6 anos

"Aos invés do sistema proteger, ele acaba expondo", alerta conselheiro tutelar

Aline dos Santos | 07/03/2023 09:34
Escuta especializada para proteção da infância está prevista em lei desde 2017. (Foto: Henrique Kawaminami)
Escuta especializada para proteção da infância está prevista em lei desde 2017. (Foto: Henrique Kawaminami)

Possibilidade de ser porta de entrada para criança vítimas de violência na rede de proteção, a escuta especializada dorme no papel da Lei Federal 13.431, publicada em 2017, há seis anos. O alerta parte do presidente da Acetems (Associação dos Conselheiros Tutelares de Mato Grosso do Sul), Adriano Vargas.

“A importância dela é para que a gente tenha condições e parâmetro mínimo para ver qual medida eu tenho que aplicar e evitar o processo de revitimização. Por exemplo, a criança fala com a tia da cantina, aí chama a professora, ela fala de novo, aí chama o tio da cantina, e a criança fala de novo. Chega no Conselho Tutelar, fala de novo. Aos invés do sistema proteger, ele acaba expondo a criança”, afirma Vargas.

Segundo ele, não há escuta especializada dentro da escolas e nem na rede pública de Saúde. “Se tivéssemos uma escuta qualificada, capacitada, dentro das escolas, talvez a criança nem precisasse ir para a delegacia. Hoje, a escola não faz, a Saúde não faz”.

A escuta especializada é o procedimento de entrevista sobre situação de violência com criança ou adolescente perante órgão da rede de proteção, limitado o relato estritamente ao necessário para o cumprimento de sua finalidade. Já o depoimento especial é o procedimento de oitiva de criança ou adolescente vítima ou testemunha de violência perante autoridade policial ou judiciária.

Conselheiro tutelar Adriano Vargas durante audiência na Câmara de Campo Grande. (Foto: Izaias Medeiros)
Conselheiro tutelar Adriano Vargas durante audiência na Câmara de Campo Grande. (Foto: Izaias Medeiros)

“A escuta especializada é para fins de aplicar medida de proteção. Por exemplo, a criança passou por escuta especializada na escola e ela contou que foi vítima de violência. É uma escuta especializada, técnica, no local onde ela se encontrava. Isso vem para o Conselho Tutelar poder aplicar as medidas de proteção ou até mesmo que a escola encaminhe para acompanhamento psicológico. Já o depoimento especial é para finalidade criminal, ele tem essa finalidade de levantamento de provas para o inquérito”, afirma o presidente da Associação dos Conselheiros Tutelares de Mato Grosso do Sul.

Escola e postos – De acordo com a prefeitura de Campo Grande, a Lei 13.431, a qual discorre sobre o cuidado com a vítima para que não seja revitimizada após ter sofrido algum tipo de violência, é pauta da Secretaria Municipal de Educação por meio da Secoe, equipe que participa das tratativas sobre a criação do Centro Integrado, junto à 46ª Promotoria de Justiça (que atua na proteção de crianças e adolescentes).

“Esse local visa centralizar os atendimentos às crianças e aos adolescentes, garantindo sua proteção integral. Este Órgão Central já se colocou à disposição para atender nossos alunos com uma sala na Coordenadoria Psicossocial de Atendimento Educacional – CEPAE, com psicólogos devidamente especializados com o curso de escuta. Assim, essa escuta depende diretamente do estabelecimento de fluxo pela rede de proteção”, informa nota enviada ao Campo Grande News.

Ainda conforme a administração municipal, no âmbito da Saúde, os protocolos que versam sobre o combate à violência contra crianças e adolescentes, são amplamente discutidos e temas de capacitações, considerando que as unidades de saúde pontos estratégicos para acolhimento e atendimento desse tipo de violência, uma vez que os profissionais da saúde têm a possibilidade de realizar avaliação clínica e identificar sinais e sintomas físicos, emocionais e comportamentais que sejam indicativos de violência, observando as políticas de notificação e atendimento instituídas pelo Ministério da Saúde.

“Campo Grande, inclusive, é uma das cidades com maior efetividade na notificação de casos de violência contra crianças e adolescentes. E isso é resultado dos protocolos e processos de identificação e notificação já instituídos. Como uma forma de fortalecer ainda mais este trabalho, a Secretaria Municipal de Saúde está ampliando a oferta de capacitações aos seus profissionais visando o fortalecimento das ações de atendimento e prevenção, com objetivo qualificá-los para o acolhimento, atendimento, notificação e seguimento mais adequados visando a não revitimização e a interrupção das violências contra criança e do adolescente, em especial a violência sexual”.

Contudo, não foi informado quando a escuta especializada será levada para escolas e unidades de Saúde.

Nos siga no Google Notícias