ACOMPANHE-NOS    
MAIO, DOMINGO  31    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Greve chega ao fim, mas transporte coletivo continua com operação férias

Paralisação dos caminhoneiros chega ao fim nesta quarta-feira, mas número de ônibus nas ruas é reduzido

Por Izabela Sanchez | 30/05/2018 16:43
São 50 ônibus a menos nas ruas (Danniele Valentim)
São 50 ônibus a menos nas ruas (Danniele Valentim)

Mesmo com o fim da greve dos caminhoneiros, que acaba após 10 dias de paralisação, o Consórcio Guaicurus – que administra a frota de ônibus coletivo em Campo Grande – decidiu continuar com a operação férias, que reduziu o número de ônibus nas ruas. Em Campo Grande são 50 ônibus a menos, de um total de 598.

O diretor-presidente da Agereg (Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos), Vinícius Leite Campos, declarou que a agência acompanha a situação e declarou não haver nenhuma “ilegalidade” em manter a operação férias. Conforme explicou, o número reduzido de ônibus deve continuar por mais dois dias.

“Nós estamos em contato direto com os representantes do consórcio, com a Solurb, com a Águas e com relação ao transporte foi feito uma readequação de frota, a gente está esperando essa situação se resolver definitivamente. Já foi anunciada o fim da greve, mas a paralisação se mantem em alguns pontos, tem um risco, pelo por mais uns dois dias a princípio, continua com essa essa escala”.

Greve - Depois de dez dias de greve nas rodovias de Mato Grosso do Sul, os caminhoneiros começaram a deixar os três pontos de bloqueio em Campo Grande, que concentravam o maior número de profissionais. Culpando a população, questionando os anúncios feitos pelos Governos e criticando a desistência de colegas, há quem insista em ficar.

O único ponto de bloqueio que ainda tem concentração de motoristas parados é no Posto Caravágio, na BR-163, em Campo Grande. Nos postos Kátia Locatelli, também na BR-163, e Carga Pesada, na BR-262, os motoristas começaram a deixar o protesto e movimentam as rodovias na volta ao trabalho. Apesar da desmobilização, há manifestantes que temem represálias em outros trechos de bloqueios espalhados pelo país.