ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 23º

Capital

Homem “ganha” rim da esposa, perde órgão em 48h e denuncia Santa Casa

Aline dos Santos | 24/12/2013 10:03
Santa Casa suspendeu transplante de rins após sete mortes.(Foto: Cleber Gellio)
Santa Casa suspendeu transplante de rins após sete mortes.(Foto: Cleber Gellio)

O transplante de rim foi um sonho de 48 horas na vida do dentista Adolfo Alderete, de 44 anos. “Mataram o rim da minha esposa”, acusa o paciente, que fez a cirurgia na Santa Casa de Campo Grande. Na semana passada, após três mortes de transplantados de rim em 15 dias, o hospital anunciou a suspensão dos procedimentos.

Primeiro, um golpe de sorte. A esposa Léa Daniela Alderete, de 35 anos, era compatível, conforme atestado em exames de sangue e compatibilidade. No dia 29 de outubro, ele passou por procedimento para receber o órgão.

Dois dias depois, em 31 de outubro, voltou para o centro cirúrgico, desta vez para a retirada do rim. Foi o fim do sonho e retorno ao drama que vive há dois anos, quando descobriu ter rim policístico, doença genética que faz surgir cistos, comprometendo o funcionamento dos órgãos.

Para o paciente, dois erros levaram a essa situação. “Era preciso duas equipes. Uma para retirar o órgão e outra para o transplante. Mas foi uma equipe só para fazer tudo isso. Depois, nem olharam o exame da minha mulher”, denuncia.

Segundo Adolfo, no exame de ressonância magnética o médico alertou que o rim da doadora era irrigado por duas artérias. Ele explica que, em geral, é por somente uma. Preocupada, além do exame, a esposa do paciente reforçou o alerta para o cirurgião. “Eles disse para minha mulher: ‘mais essa ainda’”, relata Adolfo.

O paciente conta que ficou no centro cirúrgico das 6h30 às 15h. “Um transplante dura, no máximo, três horas. Foi falta de planejamento deles”, diz. Depois de receber o rim, o dentista ficou cinco dias na UTI (Unidade de Terapia Intensiva).

No entanto, os exames mostraram que o rim não recebeu irrigação sanguínea e teria que ser retirado. No laudo, consta que houve rejeição imediata. O diagnóstico é rebatido pelo paciente. “Para ter rejeição, o sangue precisaria ter entrado em contato, o que não aconteceu”.

Adolfo procurou a Associação das Vítima de Erros Médicos e vai entrar com ação judicial para cobrar indenização por danos morais e materiais. O processo será contra a Santa Casa de Campo Grade, a médica responsável pelo procedimento e o cirurgião. Sem o rim doado, os planos de viagem ficaram no papel. Ele passa quatro horas preso à maquina de hemodiálise, que filtra o sangue. 

Adolfo recebeu rim e ficou com órgão por apenas 48 horas. (Foto: Arquivo Pessoal)
Adolfo recebeu rim e ficou com órgão por apenas 48 horas. (Foto: Arquivo Pessoal)

A rotina de sobrevivência é cumprida três vezes por semana. Funcionário público da Prefeitura de Campo Grande,teve que se afastar do trabalho.

Sem explicação - Em 2013, foram feitos 45 transplantes de rim na Santa Casa e sete resultaram em morte. Conforme o hospital, em três procedimentos não foi constatado a causa. Na última sexta-feira, o diretor-clínico Luiz Alberto Kanamura declarou que há suspeitas, mas não iria divulgar por não ter como provar.

Com a investigação do Ministério da Saúde, a previsão é retomar os transplante de rins em 90 dias. Os transplantes de coração também foram suspensos e não há prazo para retorno. O telefone para contato com a Associação das Vítimas de Erros Médicos é o (67) 3362-1375.

Nos siga no Google Notícias