A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

09/01/2013 14:29

Hospital Regional confirma morte por dengue, 1º caso este ano

Nícholas Vasconcelos e Paula Vitorino

O Hospital Regional confirmou hoje a morte de Vanderleia de Souza Oliveira, 45 anos, por dengue. Ela é a primeira vítima da doença este ano em Mato Grosso do Sul.

Ela deu entrada no pronto atendimento do hospital encaminhada pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) na segunda-feira (7) já com quadro clínico gravíssimo e não respondeu ao tratamento de imediato. A paciente sofreu cardiovasculares.

Vanderleia sofria de câncer e foi enterrada na manhã de hoje no cemitério Santo Amaro.

Antes de ser internada, a mulher foi atendida três vezes na unidade de saúde do bairro Vila Almeida.

A Secretaria de Saúde aguarda o resultado da necropsia, que irá determinar se a mulher tinha dengue e se a causa da morte foi essa ou outras complicações. O exame deve ficar pronto em 10 dias.

Na primeira semana de 2013, foram registradas 1.215 notificações de casos de dengue. Em 2012, foram 922 casos confirmados e 7.752 notificações.

Secretaria de Saúde investiga morte de mulher de 45 anos por dengue
Mais um paciente pode ter morrido por dengue em Campo Grande, o que seria o primeiro caso. No ano passado, três mortes foram confirmadas na Capital e...
Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...
Bandidos armados com faca usam carro prata para assaltar vítimas
Dois homens armados com faca em um carro prata - com placas HTI-8594 - assaltaram ao menos duas vítimas, na madrugada deste domingo (17), no Bairro C...
Promotoria e prefeitura firmam acordo para recuperar área de preservação
Foi celebrado entre o MPE (Ministério Público Estadual) e a prefeitura de Campo Grande acordo para recomposição da vegetação nativa da área de preser...


O que o tratamento hospitalar da dengue tem que o tratamento no posto não tem:
1) soro colóide (somente quando o exame de sangue mostrar hemoconcentração e o tratamento com soro comum falhar);
2) respiração artificial (máquina de respiração), caso a paciente evolua com falta de ar;
3) remédios (drogas vasoativas) que não deixam a pressão atingir níveis perigosos (só usado quando o tratamento com soro falhar);
4) exames (tomografia, ultrasson, exame de urina, RX) para detectar complicações;
5) não há indicação de cirurgias;
6) alimentação por sonda;
7) transfusão de plaquetas, em hemorragia grave; é rotineiramente realizada, porém sua eficácia e indicação é controversa. Enquanto a ANVISA (RDC nº 129) não a recomenda, o ministério da saúde (consenso de dengue de 2011) recomenda a transfusão.
 
VANDEILTON DIAS DOS SANTOS em 11/01/2013 15:26:49
Pessoal, vamos com calma:
1) quem identifica quem está grave ou não, nos postos 24 horas, é uma equipe com enfermeira e auxiliares de enfermagem. O médico só poderá opinar se é emergência ou não quando atender o paciente;
2) não é culpa do médico a demora para ser atendido. Se a quantidade de pacientes é muita, cabe à prefeitura contratar mais médicos, para que a qualidade do atendimento não fique ruim. Se o médico começar a atender mais rápido, para poder dar conta da grande demanda, ocorrerá que ele não terá tempo nem de olhar na cara de cada paciente, não resolverá o problema de ninguém e ainda correrá o risco de, ao cometer erros, piorar a saúde dos pacientes;
3) o tratamento de dengue, TANTO NO POSTO QUANTO NO HOSPITAL, é: repouso, analgésicos (dipirona) e soro (oral ou na veia).
 
VANDEILTON DIAS DOS SANTOS em 11/01/2013 02:07:43
A MULHER TINHA CANCER E O HIOSPOITAL CONFIRMOU QUE Á MORTE FOI POR DENGUE .MAIS OS EXAMES VÃO FICAR PRONTOS DAQUI Á 10 DIAS.ACHO QUE TEM MUITA COISA ERRADA NESTA REPORTAGEM .
 
luiz c. trombini em 10/01/2013 08:42:36
Mesmo fato que ocorreu com a Laura Mattos ano passado, vários atendimentos nos posto e só falavam que era virosa e mandavam tomar dipirona, só constataram a doença quando já estava em um estado avançado, resultado, muito tarde para fazer o tratamento e a jovem morreu. É lamentável a situação do nosso sistema de saúde, espero que o novo prefeito cumpra seu discurso e faça algo para mudar isso.
 
André Serra em 10/01/2013 06:38:21
meu nome é andré luiz sou filho da wanderleia que veio a falhecer ontem, deixo aqui minha indiguinação com a nossa saude publica eu levei minha mãe no posto vila almeida sabado 10 hs da manha e ela só foi ser atendida 3 hs tarde e só pasaram soro para ela e ela já estava muito mal,se no sabado ela já tivesse sido internada poderia ser evitada está toda esta tragedia.fica aqui a indiguinaçaõ de toda familia.
 
andre luiz oliveira pereira em 09/01/2013 20:24:43
O MOMENTO É DE INDIGNAÇÃO POIS SABEMOS QUE TUDO ISSO QUE ACONTECEU FOI UM ERRO ATRÁS DO OUTRO NEGLIGÊNCIA, OMISSÃO DE SOCORRO E FALTA DE HUMANIDADE É NESSAS HORAS QUE EU ME PERGUNTO CADE O HUMANIZA SUS QUE DIZ QUE DEVEMOS TRATAR O PACIENTE COM AMOR CARINHO E ATENÇÃO. QUEREMOS JUSTIÇA .
 
Gislaine OLIVEIRA DE ARAÚJO em 09/01/2013 19:33:31
Queremos justiça, se houve negligência Médica, podem ter certeza que iremos buscar a justiça. É necessário que os profissionais da Saúde e é claro que toda regra tem suas excessões, saibam diferenciar o que é urgência de emergência, afinal são vidas que precisam de atendimentos diferenciados.
 
Patrícia Souza de Oliveira em 09/01/2013 18:55:09
A Wanderléya é minha irmã querida, mãe de quatro filhos, André Luis, Leydiane, Letícia e Alexandre, todos crescidos, para nós família há revolta imensa pela perca de nossa irmã, uma que minha irmã já havia sido atendida nesta Unidade de Saúde da vila almeida por supeita de dengue e passaram a ela dipirona, na segunda feira em meu irmão foi levada ao Posto ela gritava de dores, e o médico ou atendente questionava a ela, meu irmão foi dizer que ela estava com muitas dores na costa e na região abdominal, o homem foi grosseiro e mandou meu irmão se retirar dalí, tamanha negligência e desrespeito a um ser humano sensível, de dores, fraca e indefesa, minha irmã ficou a manhã inteira sem ser atendida por um médico, somente no final da tarde que eles foram verificar a gravidade da situação.
 
Patrícia Souza de Oliveira em 09/01/2013 18:51:03
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions