ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MAIO, QUINTA  30    CAMPO GRANDE 25º

Capital

Invasores de terreno da Homex protestam por apoio à compra de área

Governador Reinaldo Azambuja comprometeu-se a discutir assunto com o prefeito Marquinhos Trad, segundo nota divulgada

Danielle Valentim e Bruna Kaspary | 21/08/2018 09:45
Invasora de terreno ajoelha-se em frente à governadoria para pedir regularização da situação em área que era de construtora mexicana (Foto: Henrique Kawaminami)
Invasora de terreno ajoelha-se em frente à governadoria para pedir regularização da situação em área que era de construtora mexicana (Foto: Henrique Kawaminami)

Grupo de 350 moradores de invasão, no Jardim Centro Oeste, na região sul de Campo Grande, foi até o Parque dos Poderes na manhã desta terça-feira (21) pedir que o governo do Estado apoie a Prefeitura na compra da área, que fica ao lado de conjunto habitacional construído pela Homex, empresa mexicana que abandonou o empreendimento. No último dia 10 de agosto, as famílias receberam notificação de desocupação da área, depois que a Justiça concedeu nova liminar de reintegração à massa falida da empresa.

As famílias chegaram em carros, bicicletas e mais seis ônibus. Dois representantes do grupo, Wilson Vasques e Valdirene Vieira, montaram uma comissão para conversar com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB). No entanto, com o chefe do Executivo em viagem, a dupla se reuniu como secretário de Governo e Gestão Estratégica de Mato Grosso do Sul, Eduardo Riedel.

A conversa, segundo eles, foi positiva já que o governo mostrou desejo em apoiar e em agendar uma reunião com o governador. Os representantes reiteram o compromisso da Prefeitura em ajudá-los e elogiam a derrubada de casas vazias, no último dia 13 de agosto.

“As casa demolidas na semana passada, eram imóveis inabitados e nossa luta é por quem está morando lá. A postura da prefeitura foi correta em cadastrar os moradores na Emha”, disse Valdirene. “Queremos moradia e assistência social”, completou Wilson.

A moradora Cristiane Rodrigues também estava na governadoria. Ela pontua que na situação em que se encontram, a assistência social nem chega aos barracos.

“Moro lá há 1 ano e 9 meses na área depois que os preços dos remédios da minha companheira nos obrigaram a ir para lá. Cada cartela era R$ 300. Todas as vezes que precisei levar minha companheira para uma unidade de saúde, nem mesmo a ambulância chegava lá. Somente após a morte dela, no ano passado, eles estão começando a entrar na comunidade para assistência”, disse.

Resposta - Por meio de nota, o Governo do Estado informou que será parceiro e apoiará todas as decisões da prefeitura de Campo Grande em relação a situação dos moradores da área invadida ao lado do Condomínio Varandas do Campo, que pertence a massa falida da construtora mexicana Homex.

Em reunião com a comissão de moradores, o secretário estadual de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, garantiu que “o governo apoiará integralmente” a medida deliberada pelo município em busca de uma melhor solução para o caso.

“É uma discussão da prefeitura, que negocia um acordo com a construtora, e o Governo do Estado está pronto para apoiar e encontrar o melhor termo para atender as famílias que ocupam a área”, disse o secretário aos representantes do movimento.

Riedel também garantiu que o governador Reinaldo Azambuja se comprometeu em discutir o assunto com o prefeito Marcos Trad.

 

Nos siga no Google Notícias