ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, DOMINGO  25    CAMPO GRANDE 20º

Capital

Justiça nega pela 2ª vez liberdade a delegado preso na terceira fase da Omertà

Márcio Shiro Obara está na carceragem da 3ª DP (Delegacia de Polícia) há quase 1 mês

Por Anahi Zurutuza | 14/07/2020 19:03
Delegado é acusado de ocultar provas em investigação para favorecer organização criminosa (Foto: André Bittar/Arquivo)
Delegado é acusado de ocultar provas em investigação para favorecer organização criminosa (Foto: André Bittar/Arquivo)

Por maioria dos votos, a 2ª Câmara Criminal negou habeas corpus ao delegado Márcio Shiro Obara, preso desde o dia 18 de junho, quando foi alvo da terceira fase da Operação Omertà. O pedido de liberdade provisória tramitou em sigilo, por isso o Campo Grande News não teve acesso ao teor da decisão.

A única informação pública é que o relator do processo, desembargador Ruy Celso Barbosa Florence, foi voto vencido. O julgamento foi na tarde desta terça-feira (14).

Esta é a segunda vez que a Justiça mantém a prisão preventiva do delegado. No fim do mês passado, juiz substituto em segundo grau Waldir Marques negou soltura pela primeira vez.

O delegado é acusado de esconder provas na apuração sobre o assassinato do policial militar reformado Ilson Martins de Figueiredo, ocorrida em 11 de junho de 2018, e apontado como o destinatário de R$ 100 mil que seria pago por organização criminosa “a um delegado”.

A denúncia contra Obara por corrupção passiva foi aceita pela juiz Roberto Ferreira Filho ontem (13).

Detalhes - No pedido de prisão deferido pelo juiz da 7ª Vara Criminal de Campo Grande, Marcelo Ivo de Oliveira, o Gaeco (Grupo de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado) aponta que no carro da vítima foi encontrado um envelope com a inscrição “dossiê” e que continha prints de conversas de WhatsApp entre Ilson de Figueiredo  e uma pessoa identificada apenas como "padrinho".

O diálogo citava que a morte do policial militar reformado foi decidida durante reunião em Ponta Porã, que o interlocutor não iria conseguir reverter e que uma pessoa já havia sido morta por envolvimento no sumiço do filho de Fahd Jamil Georges.

O documento do Gaeco cita que o material não foi juntado ao inquérito policial da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio), onde Obara era titular e investigava o crime. Nesta apuração, materiais da vítima, como caneta espiã e cartões de memórias não foram periciados.

Em novembro de 2018, quando Campo Grande já havia testemunhado outras duas execuções, a Polícia Civil criou força-tarefa e os homicídios passaram a ser investigados pelo Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros).

O Campo Grande News não conseguiu hoje contato com o advogado da Obara, Ronaldo Franco, para saber os termos do pedido de liberdade e quais os próximos passos da defesa. O defensor, porém, já havia dito à reportagem que o delegado explicaria no processo que depósito em sua conta bancária era oriundo de herança.

Fuzil em manutenção – A operação apreendeu um fuzil na casa do delegado e 784 munições de vários calibres, sem registro, em sala de acesso exclusivo de Obara na 2ª Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, onde trabalha.

A defesa informa que não se trata de uma arma clandestina. Segundo o advogado, o fuzil foi apreendido em um homicídio na cidade de Amambai e o delegado local requisitou à Justiça que ficasse em poder da Polícia Civil. Enquanto não há decisão final, o fuzil foi entregue ao delegado Obara, que esteve em Amambai durante instrução de tiros. “Pegou o fuzil para dar manutenção e verificar se ainda estava apto”, explicou Franco um dia após a prisão do cliente.

Desde que foi alvo de mandado de prisão preventiva, há quase um mês, Obara está na carceragem da 3ª DP (Delegacia de Polícia) da Capital.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário