ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, SEXTA  23    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Laudo classifica assassino de Mayara Amaral como semi-imputável

Exame considerou que entedimento de Luis Alberto Bastos Barbosa era parcial ao cometer crime

Izabela Sanchez | 21/08/2018 16:45
Luís Alberto está preso desde julho do ano passado (Foto: Arquivo)
Luís Alberto está preso desde julho do ano passado (Foto: Arquivo)

Réu confesso, Luis Alberto Bastos Barbosa foi considerado semi-imputável por laudo psiquiátrico do médico Rodrigo Ferreira Abdo, psiquiatra responsável pelo exame permitido por decisão do juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, que assumiu a 2ª Vara durante as férias do juiz responsável pelo caso, Aluizio Pereira dos Santos.

Conforme o laudo, Luis pode ter a pena reduzida, já que o exame considera que o réu não tinha entendimento completo do crime cometido. Luis foi examinado em clínica médica da Capital no dia 7 de agosto.

Segundo a defesa, ele estava sob efeito de drogas no momento em que cometeu o crime e sobre crises de abstinência constantes no presídio. Desde agosto do ano passado o advogado de réu tenta junto ao juiz a liberação para que o exame de insanidade mental seja feito.

Depoimento - Luís foi ouvido na tarde de quinta-feira (17), na terceira audiência sobre o assassinato da musicista. Diante do juiz, ele lembrou que conheceu Mayara em um bar da cidade, através de amigos e que logo se envolveram no projeto de uma nova banda. Com os ensaios, os dois acabaram se aproximando e tiveram o que o réu chamou de “encontros casuais”.

Segundo Luís, o terceiro encontro entre eles aconteceu na noite em que Mayara morreu. Foi durante uma “briga besta”, regada com muito álcool e uso excessivo de droga. “Eu estava três dias sem dormir, com sintomas de sífilis e na função da droga”, afirmou. “Se eu tivesse consciente, nunca ia fazer uma coisa dessas”.

“Não lembro se foram dois, três ou um, não lembro quantas vezes, só flashs”, afirmou o réu quando o juiz perguntou quantas vezes ele acertou Mayara com o martelo. Luís também alegou não se lembrar o porque atingiu a apenas a cabeça da musicista. “Não queria bater. Só queria assustar”.

O caso – Mayara Amaral, musicista e educadora, tinha 27 anos quando foi brutalmente assassinada, no dia 25 de julho de 2017. A última vez que foi vista estava na companhia de Luis Alberto Bastos Barbosa, em um ensaio, um dos projetos musicais de Mayara.

O destino final da musicista só foi descoberto depois. Seu corpo foi encontrado parcialmente carbonizado na estrada que dá acesso a cachoeira conhecida na Capital como ‘Inferninho’. Mayara foi morta em um quarto de motel. Foi ferida a golpes de martelo e teve o corpo abandonado e incendiado no fim da tarde do mesmo dia.

Nos siga no Google Notícias