ACOMPANHE-NOS    
JULHO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Médico, vereador defende “compra” de leitos de UTI da rede privada na Capital

De acordo com parlamentar, a compra de leitos de UTI é uma alternativa mais rápida e menos burocrática

Por Jhefferson Gamarra | 10/03/2021 15:22
Vereador diz que momento crítico da sáude requer ampliação imediata de leitos (Foto: Thiago Mendes)
Vereador diz que momento crítico da sáude requer ampliação imediata de leitos (Foto: Thiago Mendes)

Médico mastologista, o vereador de Campo Grande, Victor Rocha (PP), defende que a prefeitura de Campo Grande, neste momento de pandemia, compre leitos de UTIs na rede privada para atender pacientes em casos de covid-19. Pela sua projeção, o município teria que disponibilizar em torno de R$ 600 mil por mês para as despesas com 10 leitos de UTI’s hospitalar.

“Em um momento como esse, quando há uma superlotação, a preocupação é faltar leito para o paciente e isso só se resolve ampliando leitos de UTI. A alternativa nesse caso seria o município tratar com os hospitais filantrópicos e com a rede privada a possibilidade aumentar leitos e vender para o sistema público de saúde”, sugere o parlamentar que compõe a comissão de saúde no legislativo municipal.

Segundo o vereador, o município dispõe de recursos para adquirir leitos particulares. Em sua projeção, cada um custaria em média R$ 2.000 dia aos cofres do município, já incluindo no valor a estrutura física, equipamentos e mão-de-obra médica e de enfermaria.

“A prefeitura tem como pagar por esse serviço que é mais rápidos e menos burocrático do que a ampliação de leitos em hospitais públicos. O prefeito já tem feito isso e aumentado sistematicamente os leitos de UTI em momentos de maior gravidade, e esse é o momento em que precisamos aumentar mais”, garante o vereador.

Com a falta de leitos e o sistema de vacinação contra a covid caminhando a passos lentos, o vereador pede que a população continue com as medidas de biossegurança para diminuir a transmissão da doença.

“Ampliação de leitos e vacinação em massa seria o ideal, mas enquanto isso não é possível as pessoas não podem abrir mão das medidas básicas de higiene, como lavar as mãos, usar álcool em gel, evitar aglomeração, além e o uso de máscaras”, diz.

Eleito vereador em 2020 pelo partido Progressista (PP) com 2.163 votos, o médico Vitor Rocha, desempenhou a função de secretário-adjunto de Saúde em Campo Grande de 2013 a 2016.

Neste período, implementou os projetos Equipe Móvel, Consulta Única, levando consultas e exames preventivos para moradores de diversos bairros. Promoveu mutirões da saúde para consultas, exames e cirurgias, além das inaugurações das UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) das Moreninhas, do Leblon e do Bairro Santa Mônica.



Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário