A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Junho de 2018

14/03/2011 14:35

Morador do antigo albergue descumpre ordem e se recusa a sair de prédio

Ricardo Campos Jr.

Homem diz que se muda somente com direitos trabalhistas em mãos

Jelso vive e cuida do prédio há 11 anos e foi contratado pela entidade que mantinha o albergue. (Foto: João Garrigó)Jelso vive e cuida do prédio há 11 anos e foi contratado pela entidade que mantinha o albergue. (Foto: João Garrigó)

Morador e zelador há 11 anos do prédio onde antigamente funcionava o albergue noturno de Campo Grande, Joelso Corrêa da Silva, 58 anos, foi intimado a deixar o local juntamente com a família. Embora afirme não se importar em fazer a mudança, alega que não vai sair do imóvel enquanto não receber os direitos trabalhistas por ter sido funcionário do lugar.

Joelso conta que foi contratado como auxiliar de serviços gerais e cuidava sozinho no albergue, que era mantido pela Associação das Abnegadas de Mato Grosso do Sul. Entretanto, durante esse tempo diz não ter recebido corretamente o salário combinado. “Nunca me pagaram em dia. Foi assim toda a vida”.

Atualmente mora junto com Joelso a esposa de 55 anos, que trabalha como doméstica, e as 3 filhas do casal de 11, 14 e 15 anos, segundo ele nascidas e criadas no prédio antigo. A residência é improvisada. Na antiga cozinha do albergue, os utensílios da família dividem espaço com o que sobrou da época em que o local recebia viajantes. “Eu não vendo o que não é meu, então está aí”, diz o trabalhador.

Joelso moveu processo trabalhista contra a Associação das Abnegadas. No dia 4 de agosto de 2009 houve audiência sobre o caso e a entidade sequer mandou representantes. O funcionário mostra documentos que comprovam a condenação da instituição a pagar mais de R$ 133 mil.

Agora a prefeitura de Campo Grande obteve na Justiça a determinação para que o prédio seja desocupado. Joelso conta que no início do ano foi dado prazo de 72 horas para que ele e a família saíssem do local. Tempos depois, segundo ele, foi procurado por agentes da Emha (Empresa Municipal de Habitação) que lhe ofereceram uma casa popular.

O funcionário do antigo albergue, entretanto, afirma que não sairá do local sem a “indenização” e afirma que não deseja passar o resto da vida no prédio praticamente abandonado.

“Eu não quero isso aí nem de graça. Eu só quero meu dinheirinho. O que eu sofri na mira de revólver, na mão de bandido aqui. Eu estou louco para sair daqui”, afirma Joelso.

Sem identificação, baleado no Jardim Colibri morre na Santa Casa
Morreu na Santa Casa de Campo Grande, homem encaminhado depois de ter sido baleado, esta noite (22) na Rua Carricá, no bairro Alves Pereira, região d...
Suspeito é atingido por pelo menos três tiros no Jardim Colibri
Suspeito, ainda não identificado, foi baleado com pelo menos três tiros, esta noite (22) na Rua Carricá, no Alves Pereira, região do Jardim Colibri, ...
Idosa de 63 anos é amarrada enquanto bandidos faziam "limpa" em sua residência
Idosa, de 63 anos, foi mantida refém enquanto um casal de bandidos roubava sua residência, esta tarde (22) na Vila Nova Campo Grande, na Capital. Do ...


Pra receber os direitos trabalhistas, não é nescessariamente que ele fique morando no prédio, mesmo morando em outro local, ele tem o direito de reclamar a sua idenização trabalhista, sair do predio, nao desobriga a entidade a cumprir com suas obrigações com o funcionario. E a Ehma agiu corretamente em oferecer uma moradia ao Sr.Joelso, pena que ele não aceitou, mas deveria.
 
PEDRO FELIX DE SOUZA em 14/03/2011 08:54:41
nao tem nada haver o que o cara quer, o direito trabalhista dele não autoriza a ficar ocupando irregularmente um prédio seja público ou particular, pior de tudo isso é que a emha ainda vai lá e oferece uma casa, vou invadir esse prédio também para ganhar uma casa, se ele não quer eu quero!!!!!!!
 
Edilson Nantes em 14/03/2011 05:50:53
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions