A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

15/04/2015 14:39

Moradores denunciam venda do Minha Casa Minha Vida por R$ 60 mil

Denúncias foram feitas durante sessão comunitária realizada pela Câmara no Bairro Portal Caiobá

Kleber Clajus
Anúncio procura interessados em vender casas em conjunto habitacional (Foto: Reprodução)Anúncio procura interessados em vender casas em conjunto habitacional (Foto: Reprodução)
Cobrança de fiscalização foi feita por moradores no Caiobá I (Foto: Kleber Clajus)Cobrança de fiscalização foi feita por moradores no Caiobá I (Foto: Kleber Clajus)

A suposta venda irregular de casas do conjunto habitacional Vila Fernanda foi denunciada, nesta quarta-feira (15), durante sessão comunitária no Bairro Portal Caiobá I, em Campo Grande. Esta é a segunda vez que moradores cobram os vereadores em busca de fiscalização da Emha (Empresa Municipal de Habitação), após situação semelhante na região do Nova Lima.

Iracilda de Fátima Benites, presidente da Associação de Moradores do Caiobá I, denunciou que nas caixinhas de correio são entregues anúncios de venda de casas do conjunto com valores entre R$ 40 mil e 60 mil.

O papel cita Edmundo Borges como corretor de imóveis, credenciado pelo Creci (Conselho Regional de Corretores de Imóveis), para realizar as negociações diante de uma “relação muito grande de pessoas interessadas em adquirir casas nesse conjunto habitacional”.

Contrato das casas, financiadas pelo Programa Minha Casa Minha Vida, prevê que estas não podem ser comercializadas com menos de dez anos de sua ocupação ou com quitação integral do imóvel, o que ainda acarreta perda do subsídio. O residencial teve sua primeira etapa entregue em agosto de 2011.

Para Chiquinho Telles (PSD), há desconfiança muito grande sobre o processo de concessão dos imóveis pela Emha e Caixa Econômica Federal, entidade responsável pelo repasse de recursos federais para as obras. Ele questionou de quem é a responsabilidade por fiscalizar e quantos são os servidores designados em coibir esse tipo de ilegalidade. “São pessoas que receberam casas e não precisavam”.

Já Airton Saraiva (DEM) defende intervenção completa na Emha, bem como que os cadastros de novos mutuários seja iniciado “do zero, porque tem cadastro falso”. O democrata ainda considera a agência “uma sucata” que precisa ser reestruturada.

O Campo Grande News entrou em contato com o corretor citado, porém este não retornou as ligações. Em outro número um homem, que se identificou como Carlos, explicou que a diferença de valores ocorre pela estrutura possuir mais quartos, portão eletrônico, muro e até cerca elétrica.

“São todas regularizadas, efetuando a compra passa no nome que continua pagando as prestações do financiamento da Caixa de R$ 30 a R$ 50. Quando termina [de pagar] passa direto para a pessoa que está dentro da casa. Isso é uma documentação que se chama de gaveta”, explicou.

A Caixa Econômica Federal, responsável pelos financiamentos, não reconhece contratos de “gaveta” e divide com a Emha responsabilidade pela fiscalização das irregularidades, conforme os vereadores.

Abstenção em concurso da Câmara Municipal da Capital passa dos 30%
O domingo (17) foi de provas para milhares de campo-grandenses, tanto na manhã como no período da tarde, no concurso da Câmara Municipal, que segundo...
Com forte dores, mulher reclama de falta de atendimento em UPA
Mesmo apresentando fortes dores e inchaço na região do estômago, sem conseguir comer a três dias, uma mulher que procurou atendimento na UPA (Unidade...
Problema rotineiro, chuva causa alagamentos no bairro Cidade Morena
A chuva que atingiu Campo Grande no fim da tarde deste domingo (17) causou vários problemas à população, desde alagamentos a problemas estruturais em...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions