ACOMPANHE-NOS    
SETEMBRO, SEGUNDA  20    CAMPO GRANDE 23º

Capital

No 2º depoimento, suspeito de tramar morte de Mayara fica em silêncio

Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, esteve na delegacia para prestar depoimento na manhã desta quarta-feira (02)

Por Luana Rodrigues | 02/08/2017 15:15
Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, está preso. (Foto: Marcos Ermínio)
Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, está preso. (Foto: Marcos Ermínio)

Suspeito de ser o mentor do crime que resultou na morte da musicista Mayara Amaral, 27 anos, Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, ficou em silêncio durante depoimento à polícia na manhã desta quarta-feira (02). A informação é do advogado, Conrado de Souza Passos, que acompanhou o músico durante a oitiva.

De acordo com o advogado, apesar dele não responder nenhuma das perguntas, o depoimento de Barbosa durou cerca de um hora. “Entendemos que neste momento seria melhor invocarmos o direito ao silêncio, de só falar em juízo, porque as circunstâncias todas são muito prematuras. O inquérito não foi terminado ainda, e todos os esclarecimentos que ele poderia dar, já foram dados à polícia”, disse Passos.

Ainda conforme o advogado, a delegada Gabriela Stainle, da Defurv (Delegacia Especializada em Furto e Roubo de Veículos), que conduz as investigações, fez perguntas gerais, relacionadas ao crime, mas enfatizou algumas situações. “Eles estão querendo saber se ele tinha ido sozinho no motel e como eles iriam repartir os bens da jovem”, afirma.

Além de Barbosa, prestam depoimento na delegacia nesta quarta-feira os comparsas dele, Ronaldo da Silva Olmedo, 30, e Anderson Sanches Pereira, 31. Os dois não tem advogado, até o momento.

A delegada responsável pelo caso avisou à reportagem que não poderia falar com a imprensa, pois estava coletando os depoimentos dos suspeitos.

Investigação - Segundo apurou o Campo Grande News, a polícia quer saber não só sobre o assassinato, mas sobre os interessados que comprariam o Gol branco modelo 1992 por R$ 1 mil, motivo que levou, segundo a polícia Mayara a ser morta no latrocínio (morte em assalto), como o caso é tratado.

O prazo estabelecido até a próxima sexta-feira foi direcionado pelo fato de ser a data limite para a delegada encerrar o inquérito do caso e encaminhar o caso ao Ministério Público Estadual. Oficialmente, Gabriela não falou sobre o assunto.

Nesta semana, a Defurv abriu a série de testemunhos que irá colher sobre o caso para apurar as dúvidas que restam. A dona e a funcionária do motel onde Mayara foi assassinada a marteladas foram as primeiras ouvidas. Amigas da vítima que trocaram mensagens com ela nos dias e horários anteriores ao crime também foram à delegacia especializada, no Jardim Monte Alegre (zona sul).

A polícia também não descarta que familiares de Mayara possam ser intimados a depor para auxiliarem nas acusações contra o trio preso.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário