A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

04/04/2014 11:48

Operários de construção protestam por melhores salários e saída de engenheiro

Aliny Mary Dias e Viviane Oliveira
Operários se negam a trabalhar nesta sexta-feira (Foto: Cleber Gellio)Operários se negam a trabalhar nesta sexta-feira (Foto: Cleber Gellio)

Dezenas de trabalhadores da MRV protestam desde às 7 horas desta sexta-feira (4), em frente ao Residencial Castelo de Mônaco, na Avenida Interlagos, por melhores salários e pela saída do engenheiro responsável pela obra.

A maior reclamação dos operários, entre eles pedreiros, auxiliares, encanadores e eletricistas, é a mudança no critério de remuneração da empresa. Na contratação, os trabalhadores foram informados que seria pagos de acordo com um valor fixo e com outro referente à produção.

Mas segundo as denúncias dos trabalhadores, o pagamento está sendo feito só com base na produção. O protesto ocorreu hoje depois que os operários se viram diante de um pagamento bastante inferior do esperado, o pagamento foi feito ontem (3).

O pedreiro Marcelo Rocha Cavalcante, de 40 anos, explica que a empresa firmou acordo de pagar R$ 8 pelo metro da produção somado ao salário fixo. Mas o combinado não está sendo cumprido. “O que chamou a atenção de muitos virem trabalhar aqui foi a produção e o fixo, mas não estão pagando”, diz.

Diego Francisco dos Santos, de 21 anos, também é funcionário da MRV e reclama sobre a não entrega de cestas básicas para operários que chegam 5 minutos atrasados ou aqueles que faltam, mesmo com apresentação de atestado médico.

Outra reivindicação dos trabalhadores é a saída do engenheiro responsável pela obra. Conforme as denúncias, a conduta do profissional é reprovada pelos operários. “Ele xinga e trata a gente muito mal”, afirma Diego. O engenheiro não quis falar com a reportagem.

Para o presidente do Sintracom (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário), José Abelha, o problema é constante com a construtora. “Já tem um tempo que esse problema com produção acontece na MRV. Hoje eles pararam de trabalhar e só vão retornar quando a situação for resolvida”, completa.

Outro lado - Conforme nota divulgada pela MRV, os salários estão sendo pagos normalmente e a reclamação dos moradores é em relação a remuneração da produção.

"Sobre a paralização dos trabalhadores da obra do empreendimento Castelo de Mônaco, a MRV Engenharia informa que o pagamento dos empregados está sendo realizado normalmente em dia, incluindo o bônus de produção definido anteriormente. O motivo do protesto deve-se à reivindicação de aumento no pagamento deste bônus no novo dissídio, que será avaliado pela construtora conforme legislação".

Trabalhadores mostram holerites e reclamam baixos salários (Foto: Cleber Gellio)Trabalhadores mostram holerites e reclamam baixos salários (Foto: Cleber Gellio)
Ação oferece serviço especial na UBSF do Tarumã nesta terça-feira
A UBSF (Unidade Básica de Saúde da Família) do Tarumã promove nesta terça-feira (12) diversas atividades voltadas para a promoção de saúde da populaç...
Prefeitura e Sebrae fazem estudo em lojas para revitalizar rua 14 de Julho
A prefeitura de Campo Grande a o Sebrae de Mato Grosso do Sul estão realizando na rua 14 de Julho, Centro da cidade, um estudo técnico em 230 lojas, ...
Mau atendimento e buracos em pista atrapalham alunos em prova do Detran
O mau atendimento prestado por alguns dos examinadores e buracos presentes na pista de provas do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito de Mato...


A reportagem poderia ter publicado um dos três holerites mostrados pelos trabalhadores para que o leitor pudesse confirmar a alegação da construtora. É previsível que também aqui uma hora 'a bolha' estoure.
 
Carlos Alberto Cordeiro em 04/04/2014 13:26:58
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions