A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

22/09/2015 11:46

Passadinha rápida em posto vira confusão entre pecuarista e policial

Luana Rodrigues
Gravação mostra parte da confusão. (Foto: Reprodução/ Print)Gravação mostra parte da confusão. (Foto: Reprodução/ Print)
Rafael se certificou que valor havia sido debitado duas vezes por meio de aplicativo do celular. (Foto: Reprodução/ Print)Rafael se certificou que valor havia sido debitado duas vezes por meio de aplicativo do celular. (Foto: Reprodução/ Print)

O que era para ser uma passadinha  no posto de combustíveis antes de seguir para o trabalho, transformou-se em caso de polícia. Por volta das 6h desta segunda-feira(21), o pecuarista Rafael Arantes Bispo, 32 anos, disse que abasteceu o carro em um posto na avenida Consul Assaf Trad, no bairro Coronel Antonino, na saída para Cuiabá. O valor registrado na bomba foi de R$ 85,57, no entanto, foram debitadas duas cobranças em sua conta, já que ele pagou com o cartão. Na tentativa de estornar uma das cobranças, começou uma confusão no posto e o cliente alega que foi agredido pelo policial militar Alberto Fabiano de Arruda, que "apareceu" no local.

Conforme o pecuarista, ao perceber que o valor havia sido debitado duas vezes em sua conta, ele tentou argumentar com a frentista. "Eu passei o cartão uma vez e ela disse que não tinha debitado, então passei novamente e consultei o saldo pelo celular, momento em que vi os dois débitos. Eu disse a ela que estava vendo que tinha cobrado duas vezes, mas ela nem quis olhar", conta.

Diante da situação, o pecuarista disse que se recusou a tirar o carro da frente da bomba, até que alguém "resolvesse seu problema" e estornasse um dos valores, porém, segundo ele, os frentistas se recusaram. 

Ainda segundo Rafael, cerca de 1 hora depois o Policial Militar identificado como Alberto Fabiano de Arruda chegou ao local, momento em que o pecuarista começou a gravar o que ocorria. No vídeo, o homem vai até o cliente, que pergunta: "É você que vai resolver meu caso, amigo?". O policial então quer saber: "Mas o que aconteceu?". Após a explicação do cliente, o PM questiona o porquê do rapaz estar filmando e dá um tapa nas mãos dele, fazendo com o aparelho caia e a gravação seja interrompida.

Rafael afirma que depois disso foi preso e encaminhado a Depac(Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário), onde o policial registrou um boletim contra ele por resistência.

No registro, o PM afirma que, "observando a situação, e buscando preservar a integridade física do frentista, identificou-se como Policial Militar, e deu voz de prisão o autor. Mas o autor estava de posse de celular filmando os fato, indo em direção da vitima, para agredi-lo. E com apoio de uma guarnição da PM, efetuaram a prisão do autor, sendo necessário o uso de algemas, pois o autor estava muito exaltado, assim preservando a integridade física de terceiros, bem como das vitimas e autor. "

Segundo o BO, o policial contou ainda que foi ameaçado pelo pecuarista, que disse: "Eu sou influente, isso não vai ficar assim".

O pecuarista afirma que ficou detido por cerca de 2 horas e foi impedido de registrar um boletim contra o policial. "Fui preso, colocado em uma viatura como um bandido, fiquei totalmente constrangido, além disso, perdi um dia de trabalho. Já acionei um advogado e vou registrar uma denúncia junto a corregedoria da PM", disse.

O Campo Grande News entrou em contato com o proprietário do posto, que pediu para não ser identificado, e apenas disse que "o rapaz está usando a imagem do posto sem autorização. Só iremos nos pronunciar sobre o caso em juízo".

Já a assessoria de imprensa da PM, confirmou que Alberto se trata de um policial militar, mas informou que ainda não foi notificada oficialmente sobre o ocorrido, por isso também não irá se manifestar ainda.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Bom q mostrou a cara desse policial no vídeo. Não tem como ele dizer que não agrediu o pecuarista.
Uma boa prova pra excluir esse indivíduo da corporação.
'EXCLUSÃO JÁ"
 
debora lemes em 23/09/2015 10:45:08
Simples de resolver uma vez solicitado o estorno e o posto não devolveu teu dinheiro, liga para a policia e relata o abuso com um boletim de ocorrência aí sim a pm é obrigada a fazer o BO; tudo com calma pq eles vão esperar seu estresse para te dar um desacato e nada de dar justificativa para alguém arrogante e sem preparo nenhum tu tem a prova na mão e pronto!!!!!!!!
 
jteofs em 22/09/2015 19:11:12
Que vergonha! Não estou puxando para o lado de ninguém mas se o carinha de verde e de mochila é o dito policial o boletim tem que ser feito contra ele. Conforme as "ibagens"ele está totalmente alterado e com uma atitude truculenta bem típica de pessoas que não querem resolver as coisas na conversa. O cliente tinha todo direito de reclamar e pedir o estorno, ser pecuarista ou não é o de menos.
 
Hannibal em 22/09/2015 17:00:17
Não vale para todos os policias, mas a grande sorte do pecuarista foi que o fato se deu durante o dia e estava sendo filmado, se fosse durante a noite, a "Resistência a prisão" lhe renderia um monte de cascudos. Como disse antes não serve para todos os policias, mais existe uma minoria que quer resolver tudo na base da porrada.
 
Alex André de Souza em 22/09/2015 15:55:25
Por causa de "policiais" como este a corporação inteira fica desmoralizada. Fosse eu o comandante pediria imediatamente sua expulsão.
 
jmarch em 22/09/2015 15:51:59
da pra ver claramente a falta de preparo, do sujeito que se diz policial, abuso de altoridade,
 
viviane oliveira cardoso em 22/09/2015 14:56:18
Parece que o PM estava no bico e ficou chateado em ser filmado, agora engraçado, cobra a mais do "pecuarista" , oras, poderia ser qualquer um, medico, pedreiro, advogado, juiz, policial, não interessa, ele queria que fosse estornado a cobrança a maior.

Engraçado é o policial dar "voz de prisão" do nada......

Tem uns comentários aqui que ta doido, parece que a profissão da pessoa demonstra se ela é arrogante ou não, ninguém estava lá pra criticar o cara. errado é o PM que se esconde atras da arma pra estapear o celular do cara. queria ver se não fosse policial se ia sair fazendo isso com os outros na rua.
 
junior_adv em 22/09/2015 14:37:49
Fatos como esse são comuns, por vários problemas na hora da operação.
Mas o cliente pode ficar tranquilo pois, quando existem 2 operações do mesmo valor envolvendo as mesmas partes - comerciante e cliente - a operadora estorna o primeiro lançamento.
 
EDSON TROMBINE LEITE em 22/09/2015 14:26:36
O que vemos é o total despreparo dos funcionários que não são treinados para tais eventualidades, motivados pela incompetência da gerencia que mesmo que pelo horário deveria estar ausente, mas, por telefone poderia ter resolvido o problema acalmando o cliente solicitando os dados para estornar seu debito. Por eu ter trabalhado como gerente de posto por anos isso é normal que aconteça.
Desnecessário tal desdobramento para o posto e para o cliente que estava em seu direito.
 
carlos em 22/09/2015 14:16:25
Isso mostra o despreparo de alguns policiais, onde o papel dele seria proporcionar a paz e primeiramente ouvir os dois lados do ocorrido, e saber que, as pessoas ficam irritadas com algumas situações, neste caso ele teria que acalmá-lo e de modo algum agir com violência, manda esse policial despreparado para fazer uma reciclagem.
 
GSC em 22/09/2015 14:14:30
Mas, e o débito, houve ou não houve a duplicidade de lançamento??? As pessoas andam tão preocupadas em se estapear que acaba o motivo gerador do caos se tornando apenas uma única centelha de ignição sem nenhuma importância. Resultado: truculência, má educação de ambas as partes e todos em cana, bem feito, temos que aprender a ser mais urbanos e menos selvagens.
 
TIJUANO em 22/09/2015 13:36:43
Vi o video e não havia necessidade nenhuma da violencia aplicada pelo policial, Neste momento é que vemos o despreparo de alguns policiais que se acham acima da lei.
 
Ricardocrp em 22/09/2015 13:31:55
não vou neste posto. ainda mais agora, para ser agredido.
 
DHIEGO XAVIER DE MORAES em 22/09/2015 12:54:39
É um caso típico de confusão envolvendo vários "abusados e arrogantes" de todos os lados.
O suposto lesado "pecuarista" que acha que pode resolver tudo na marra.
O Posto de combustível que não coloca um gerente capaz de administrar uma situação dessa.
E finalmente o "puliça", que acha que é autoridade máxima e que sempre apresenta a alegação de desobediência e desacato para justificar abusos contra a população.
Deveriam todos ir plantar mandiocas, isso sim.
 
Critico em 22/09/2015 12:28:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions