A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 21 de Janeiro de 2018

08/11/2012 16:07

Perto de júri de Bruno, o sofrimento da mãe que não enterrou a filha

Mariana Lopes
Sônia tem ceteza de que a filha esté morta e lamenta por não ter enterrado Eliza (Foto: Rodrigo Pazinato)Sônia tem ceteza de que a filha esté morta e lamenta por não ter enterrado Eliza (Foto: Rodrigo Pazinato)

Dois anos após a morte e desaparecimento de Eliza Samúdio e às vésperas do julgamento do ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes, acusado pelo assassinato, a mãe da jovem, Sônia de Fátima Moura, ainda sofre com o fato de não ter enterrado o corpo da filha.

A ex-namorada do jogador foi assassinada em junho de 2010, em Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado. Bruno vai a júri popular no próximo dia 19 de novembro, em Contagem, no interior de Minas Gerais, junto com mais seis réus envolvidos no caso.

Embora Sônia nunca tenha visto o corpo da filha e até pouco tempo atrás os advogados de defesa sustentarem a hipótese de que Eliza estivesse viva, o coração da mãe não carrega esperança. “Tenho certeza de que ela está morta”, desabafa.

Sônia, que na época morava em Anhanduí, distrito de Campo Grande, ficou com a guarda de Bruninho, fruto do relacionamento do casal. Hoje, ela, o neto, o marido e o irmão mais novo de Eliza moram na Capital. “Preferi me mudar para preservar o menino, até por medo. Ninguém sabe onde estou agora”, diz.

Ela recebeu a equipe de reportagem do Campo Grande News na casa dos sogros, em Anhanduí, e falou sobre os sentimentos em relação ao ex-goleiro, a saudade da filha e os planos para o neto.

Nesses dois anos, apesar de ter ficado com a guarda de Bruninho, Sônia afirma que nunca trocou sequer uma palavra com o pai do menino, só o viu algumas vezes de longe. “Tenho vontade de ficar cara a cara com ele, só nós dois”, conta a mãe de Eliza.

 

Aos 2 anos, Bruninho mostra a habilidade com a bola de futebol (Foto: Rodrigo Pazinato)Aos 2 anos, Bruninho mostra a habilidade com a bola de futebol (Foto: Rodrigo Pazinato)

A raiva que transparece quando Sônia fala de Bruno, logo dá lugar à ternura assim que começa a lembrar da filha e encontrar semelhanças dela com o neto. “O Bruninho é canhoto igual a Eliza, também tem o gênio forte, desde pequeno é independente”, fala, enquanto olha o menino brincar na sala da casa.

Em meio a tantas semelhanças, a avó admite: “Ele é a cara do pai, mas os olhos são da Eliza”. A cara e a habilidade com a bola de futebol. Durante a entrevista, o menino, apesar da pouca idade, exibiu vários toques e mostrou que tem um chute forte com a esquerda.

Talento que não é muito bem visto por Sônia. “Ele joga bem, mas não incentivo”, comenta a avó. Com a estatura acima da média para a idade, Bruninho é uma criança bem ativa, carinhosa e alegre. “Ele é o nosso sorriso”, diz.

Sônia garante que Bruninho sabe que a mãe dele é a Eliza e que ela é a avó. Porém, a figura paterna par ao menino é a do marido de Sônia, que ela o ensinou a chamar de pai. “Quando ele estiver mais velho, entender melhor e quiser saber do pai, daí eu conto. Vai ficar por conta dele querer conhecer ou não”, pontua a avó.

De Bruno, o pai do menino, ela afirma que até hoje não recebe nenhum centavo de pensão. “Recebi foi muita crítica, das pessoas dizendo que eu queria ficar com meu neto por causa do dinheiro, mas eu cuido do Bruninho sozinha, sem ajuda alguma do pai dele”, declara Sônia.

Sônia diz que irá para Minas Gerais na próxima semana acompanhar o julgamento de Bruno e os outros acusados. “Acompanhei cada passo deste caso, agora só quero que a Justiça seja feita”, enfatiza a mãe de Eliza.



gente existe sim pocibilidade de que ela esteja viva pois ninguem ainda axou o corpo dela isso nao é comprovado ! é complicado a situaçao dessa avó ela deveria sim recorrer pra que o Bruno passa a pgr a penssao do menino!
 
Jessica zambon em 09/11/2012 13:34:50
Ao invés de Bruno, deveria colocar o nome de VITOR: vitorioso, sobrevivente de uma bárbarie ou qualquer nome, que NÃO lembre esse DELINQUENTE...
 
Neyde de Oliveira em 09/11/2012 11:34:25
Que Deus, ilumine muito essa criança que inocentemente veio ao mundo.
Quanto a avó, realmente deve lutar pelos direitos do neto. Mas por outro lado, tomar muito cuidado, afinal, o pai é um ASSASSINO frio e CALCULISTA, tipo de botar medo...
Espero que esse MARGINAL, morra na cadeia. No momento, não importa o que a Eliza era, sim, que foi vítima de um crime BÁRBARO...mediante o observado, parecia cuidar muito bem do filho contrário desse VERME, que parece ser filho de CHOCADEIRA, ou filho de mãe que jogou o bebê fora e criou a placenta.
No meu ponto de vista, deveria trocar o nome do garotinho que esta LINDO...depois de uma história trágica dessa, último que deveria ser homenagiado é esse MONSTRO psicopata.
 
Neyde de Oliveira em 09/11/2012 11:31:16
Não acredito em crime sem prova, eu no lugar do jurado o bruno seria perdoado. até para não condenar um inocente.
 
enesio de medeiros em 09/11/2012 11:22:15
A história dessa senhora é complicada, a filha foi criada pelo mundo, a Eliza virou uma interesseira, Maria chuteira, tentou dar um golpe em um jogador de futebol como fazem milhares por ai, só que a eliza deu azar e pegou um louco como o Bruno, essa criança vai ter que ter muita cabeça para conseguir crescer bem, filho de uma golpista e um de assassino que bate em mulher...
 
Roberto Inzagaki em 09/11/2012 08:22:52
è Assim mesmo populacao julga mas voce sabe e Deus ve seu coração seu sentimento de mãe , e de vó dedicada ao Neto, Mas absurdo esse assassino nao estar te pagando nenhum centavo de pensão, pois crianca tem gasto ,, alem dessa crianca ter perdido mae ainda nao tem apoio financeiro absurdo isso,Voce deveria recorrer cada centavo pois DIREITO da crianca, pai fez tem arcar consequencias,,tudo q Bruno queria era fugir da pensao, nao deixa assim recorre é Direito do seu Neto.
 
rosilene leonel em 09/11/2012 08:17:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions