A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 15 de Dezembro de 2017

20/10/2013 17:11

Polícia prende gêmeos e professor que tentavam fraudar concurso público

Vinícius Squinelo
Flagrante foi realizado por equipe comandada pela delegada Ariene (foto: Vinícius Squinelo)Flagrante foi realizado por equipe comandada pela delegada Ariene (foto: Vinícius Squinelo)

Os gêmeos Diego e Tiago Feliciano Rodrigues, 27 anos, e o professor Waldemir Ribeiro Acosta, 35, foram presos em flagrante tentando fraudar o concurso público da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, realizado na manhã deste domingo (20). Eles usavam celulares para receber as respostas das questões.

O trabalho policial teve início ainda no dia 13 de outubro, quando Tiago foi flagrado com um celular na prova da Polícia Militar, também realizada em Campo Grande. O aparelho estava grudado debaixo da manga da camisa, com fita adesiva. Na ocasião, ele foi “apenas” desclassificado do concurso, já que o celular não tinha nenhum conteúdo referente à prova.

Logo após Tiago ter sido excluído, o celular recebeu mensagens, com respostas das questões. A SAD (Secretaria Estadual de Administração), que realizava o concurso, então acionou a Polícia Civil para investigar o caso.

“Começamos a investigar o Tiago, e descobrimos que ele se inscreveu, junto com o irmão, na prova da Polícia Civil”, comentou a delegada Ariene Nazareth Murad de Souza Cury, titular da Dedfaz (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Defraudações), que comandou a investigação.

Nesta manhã, os policiais acompanharam toda a movimentação dos gêmeos. O modo de trabalho era simples, alguém sairia com o caderno de provas, o que é possível 2h após o início do concurso, resolveria as questões e mandaria por mensagem de celular.

A estratégia da Polícia acabou mostrando resultado, e Tiago e Diogo foram flagrados, por volta das 10h30, recebendo as respostas no aparelho celular. Após serem ouvidos, eles confessaram a participação do professor Waldemir, que foi preso às 16h, dentro da casa dos pais.

Waldemir tinha o trabalho de sair com o caderno de prova, resolver as questões e passar as respostas por mensagem. Os celulares foram encontrados, assim como na prova da PM, preso com fita adesiva no braço dos gêmeos.

Lista – Os gêmeos são servidores públicos municipais, da Educação e da Saúde, e já realizaram diversos outros concursos em Campo Grande. A Polícia ainda não pode afirmar que a fraude foi realizado em outros certame.

Waldemir vai responder por crime de fraude em certame de interesse público, e pode pegar entre 1 e 4 anos de cadeia. Já os Tiago e Diogo respondem por tentativa de fraude, com pena entre 1/3 e 2/3 menor.

A delegada determinou fiança de R$ 3.390,00 (cinco salários mínimos), e os acusados poderão responder o processo em liberdade.

Guarda oferece palestra sobre prevenção e combate às drogas em Uneis
Jovens da Unei (Unidades Educacional de Internação) Dom Bosco e da Unidade de Internação Feminina Estrela do Amanhã, em Campo Grande, receberam pales...
Cadastramento biométrico é oferecido pela Carreta da Justiça em Anhanduí
Desde o início desta semana a Carreta da Justiça está realizando atendimentos da biometria no distrito de Anhanduí, no município de Campo Grande, gra...


Parabéns para a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública do Mato Grosso do Sul, para a PCMS e congratulações para a Sra. delegada Ariene Nazareth Murad de Souza Cury, titular da Dedfaz e sua equipe. Muito obrigado por neutralizar estes parasitas.
 
Antonio Neto em 21/10/2013 23:16:25
o esquema de segurança é tão falho que mesmo os mais espertos não conseguem entrar, não é Sr. Luiz Carlos Vieira?
Creio que sempre há os mais espertos que tentam burlar a vigilância, mas percebe-se que o Governo do Estado é bem seguro no que faz e têm sempre os dispositivos legais e humanos para evitar fraudes. Nunca se ouviu falar algo contra a lisura do concurso. Sendo assim, acho injusto comentários que denigram a imagem da Secretaria de Estado de Administração, que sempre prima pela competência e excelência.
 
Jéssica Santos em 21/10/2013 08:59:19
Se não fossem pegos, caso aprovados, imaginem os policiais corruptos que seriam!
 
Hilda França em 21/10/2013 08:43:27
Felizmente foram flagrados, desclassificados e autuados. Podemos imaginar que tipo de profissionais seriam estes cidadãos que já entrariam no serviço público através de fraude... Que bom que o mal foi cortado pela raiz neste caso. Tenho pena dos pais das criaturas... Que vergonha! Quer passar em um concurso público? Estude com dedicação.
 
Thais Barbosa em 21/10/2013 08:39:40
Punição para os marginais que cometem esse tipo de crime. Estudamos anos e anos para alguem fraudar o concurso assim? Precisamos de mais seriedade e segurança nos concursos publicos!!!!!!
 
ingrid vianna em 21/10/2013 08:12:57
Porque ainda não usam bloqueador de celular neste tipo de provas?
Já tem professor universitario que compra do proprio bolso para usar em sala de aula e prova, então já que não é tão caro, porque o governo não resolve por um fim a isso?
Pedir entregar o celular obviamente não resolve, pois os mal-intencionados levam 2 e entregam um...
Ou seja: assim como nos presidios vc não tem como garantir que não tem celular na mão errada, então tem que garantir que celular, no lugar errado, é inútil...
 
Marcos da Silva em 21/10/2013 00:53:48
eu acho que esse concurso da pm deveria ser cancelado e fazer outra prova com mais fiscalização.
 
fernando alves em 20/10/2013 23:39:28
Eu fiz a prova da Policia Civil, e percebi que é falho a segurança no momento da entrada dos candidatos na sala para realizarem a prova, sendo assim qualquer pessoa podia entrar com algo acoplado na perna ou no braço debaixo das roupas, a única revista com detectores de metais é quando vai ao banheiro, no inicio da prova um dos fiscais anuncia que chaves, celulares ou algo assim deveram ficar dentro de um saquinho plástico, e lacrado com o nome e telefone, as mulheres deveram deixar a bolsa em baixo da carteira, algumas deixam na carteira que ficam em frente, como o concurso e muito visado e concorrido, a segurança deveria ser mais rigorosa, ou seja como não podemos entrar em estabelecimentos comerciais com capacete na cabeça.
 
Luiz Carlos Vieira da Silva em 20/10/2013 23:08:41
Se vai colar, cola direito. Meus alunos são melhores coladores que esse triozinho.
 
Guilherme Mello em 20/10/2013 20:31:12
Lamentável, estudo há muito tempo, trabalho 8 horas por dia 5 dias da semana, tenho duas filhas que dá muito trabalho, contudo, ainda arranjo tempo pra estudar. Esse crime deveria ter penas mais duras, já não basta o nepotismo que impera, ainda temos que aguentar esse tipo de coisa.
 
Heliton Barão Silva em 20/10/2013 18:50:21
Parabéns aos Policiais Civis pelo belo trabalho!!! Cadeia pra quem quer vida fácil...enquanto as pessoas ralam e derramam suor para poder passar em um concurso público...
 
José Barros em 20/10/2013 18:29:36
Eles deveriam se sentir o máximo em esperteza e inteligência e veja no que deu.
 
antonio costa em 20/10/2013 18:11:46
Deveriam ser exonerados de suas funções a bem publico,com certeza eles usaram esse método em concursos anteriores.
 
valdenir nunes em 20/10/2013 17:44:51
Um Professor!! Dois servidores municipais!! Que vergonha!! Que ridículo!!
 
Amarildo Aquino em 20/10/2013 17:43:44
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions