ACOMPANHE-NOS    
OUTUBRO, SÁBADO  24    CAMPO GRANDE 21º

Capital

Prefeitura ainda faz cálculos para pegar carona na compra de uniforme

Semed precisa adaptar orçamento ao valor cobrados pelo fabricante contratado pela Prefeitura de São Paulo

Por Anahi Zurutuza | 09/02/2017 19:10
Modelo dos uniformes distribuídos em 2016. (Foto: Arquivo)
Modelo dos uniformes distribuídos em 2016. (Foto: Arquivo)

Para concluir a adesão à ata da Prefeitura de São Paulo na compra de uniformes escolares, técnicos da Semed (Secretaria Municipal de Educação) ainda tentam adequar o orçamento existente para a aquisição ao valor cobrado pela fabricante contratada pela administração da capital paulista.

A secretaria não divulgou valores, contudo, conforme a assessoria de imprensa, a Prefeitura de Campo Grande terá de fazer a adesão parcial no processo licitatório. O interesse da Semed é nas camisetas, shorts e tênis, mas o kit de São Paulo é mais completo.

As aulas começaram na segunda-feira (6) e secretária municipal de Educação, Ilza Matheus, já havia afirmado que as roupas devem ser entregues em no mínimo 30 dias e no máximo 40.

Ontem, a prefeitura conseguiu autorização para “pegar carona” na licitação de São Paulo.

Detalhes sobre o layout também não foram divulgados ainda, mas a secretária já havia informado que como a compra está sendo feita nestes moldes não haverá margem para escolha de cores ou padrão do uniforme, sendo apenas o nome São Paulo substituído por Campo Grande.

Histórico – Mais uma vez alunos da 94 escolas e 94 Ceinfs (Centros de Educação Infantil) da Reme (Rede Municipal de Ensino) receberão os uniforme e kits com atraso. Em 2013, por exemplo, os kits escolares foram distribuídos em junho.

No ano seguinte, os materiais só chegaram às escolas em março e as roupas foram compradas da mesma forma como a prefeitura pretende fazer agora, “de carona” em ata da Prefeitura de Cotia (SP), mas foram entregues em julho.

Neste ano, a administração de Marquinhos Trad optou por aderir a processos licitatórios já abertos porque para o ano letivo de 2017, a prefeitura havia aberto no fim do ano passado dois pregões presenciais: o 216/2016 para os uniformes e o 217/2016 para kit de material escolar. Contudo, os dois foram suspensos por ordem do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul).

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário