ACOMPANHE-NOS    
NOVEMBRO, SEGUNDA  23    CAMPO GRANDE 33º

Capital

Prefeitura cria comissão com promessa de se livrar de convênios irregulares

Executivo Municipal teria de romper os convênios, mas alega não ter condições

Por Mayara Bueno | 18/03/2016 09:07
Prefeitura de Campo Grande. (Foto: Arquivo)
Prefeitura de Campo Grande. (Foto: Arquivo)

A Prefeitura de Campo Grande criou uma comissão sobre o TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) que prevê há cinco anos o rompimento dos convênios irregulares que o Executivo Municipal mantém com a Omep (Organização Mundial pela Educação Pré-Escolar) e Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária.

Chamada de “comissão especial para acompanhar o cumprimento do TAC”, a criação do grupo foi publicada no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande), desta sexta-feira (18). A promessa da Prefeitura é romper os convênios, que somam ao menos R$ 6 milhões aos cofres municipais e tem denúncias de salários exorbitantes, funcionários fantasmas e disparidades nas remunerações.

Segundo o decreto, a comissão vai identificar e apresentar em 90 dias os casos de contratação com desvio de finalidade, diferença nos salários, os chamados fantasmas e estabelecer, a partir disso, um cronograma para rever todas as contratações irregulares. Isto até rescindir completamente ambos os contratos, que é o que pede o MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) desde 2011.

Há constatações até de manicure e instrutor de circo contratados pelos convênios e profissional que ganha quase R$ 1 mil de diferença em relação a outro com a mesma função.

A medida da Prefeitura acontece depois de cinco anos, três TACs com dois prefeitos, e uma recomendação endereçada a Alcides Bernal (PP). Todos os prazos foram esgotados e o Ministério Público, inclusive, prometeu entrar com duas ações civis na Justiça, uma pedindo o cumprimento da multa prevista e a segunda ação para fazer com que o Executivo Municipal rompe os convênios.

Já o prefeito alegou a impossibilidade de rescindir os contratos imediatamente, e sugeriu a demissão de 200 funcionários e rompimento total até 2018. A proposta não foi aceita pelo MPE, que já pediu ao TCE-MS (Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul) a prestação de contas sobre os convênios.

A comissão será formada por servidores da Semed (Secretaria Municipal de Educação); da Semad (Secretaria Municipal de Administração); SAS (Secretaria de Assistência Social); da Seplanfic (Secretaria Municipal de Orçamento e Finanças) e da Procuradoria-Geral do Município.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário