ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, QUINTA  22    CAMPO GRANDE 31º

Capital

Presidente da Omep está no Gaeco para prestar depoimento

Gaeco apreendeu documentos e celular da presidente na entidade

Leonardo Rocha, Willian Leite e Yarima Mecchi | 13/12/2016 12:54
Presidente da Omep, Maria Aparecida Salmaze, foi prestar depoimento no Gaeco (Foto: Marcos Ermínio)
Presidente da Omep, Maria Aparecida Salmaze, foi prestar depoimento no Gaeco (Foto: Marcos Ermínio)

A presidente da Omep (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar), Maria Aparecida Salmaze, já chegou ao Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), para prestar depoimento. Foram apreendidos documentos e seu celular, na sede da entidade.

De acordo com o advogado da presidente, Laudson Ortiz, foram verificados quatro computadores na sede da Omep, sendo dois do departamento pessoal e outros dois do financeiro, mas nenhuma máquina foi apreendida. Ele ponderou que os promotores não detalharam qual é a denúncia contra sua cliente, mas que poderia ser por enriquecimento ilícito.

Sobre a Seleta, Laudson disse que além do presidente, Gilbraz Marques, mais dois funcionários seriam ouvidos pelo MPE. Ele representa as duas entidades na área cívil e que por enquanto, apenas a Omep requisitou o seu serviço para a investigação. "Vou representar apenas as entidades e não os funcionários".

O advogado também confirmou que o celular de Maria Aparecida foi apreendido nesta operação, que começou logo no início da manhã na Omep, tendo a apreensão de vários documentos. A presidente foi levada ao Gaeco para prestar esclarecimentos, acompanhada por dois agentes.

Investigação - Chamada de Operação Urutau, a ação do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) tem como foco a prática de improbidade administrativa, crimes de falsidade ideológica, peculato, lavagem de capitais e associação criminosa pelos presidentes da Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária e Omep (Organização Mundial pela Educação Pré-Escolar), Gilbraz Marques e Maria Aparecida Salmaze.

Os crimes teriam ocorrido em relação aos convênios mantidos pelas entidades com a Prefeitura de Campo Grande, com a suspeita de contratações fraudulentas, envolvendo os chamados "funcionários fantasmas".

São 14 mandados de busca e apreensão de documento, três prisões temporárias e sete conduções coercitivas, quando são obrigados a depor, segundo o MPE-MS. Ao todo, são 36 policiais militares e quatro promotores de Justiça envolvidos na operação.

Nos siga no Google Notícias