A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Outubro de 2017

18/12/2012 11:59

Queima de arquivo é principal hipótese para execução de PM

Francisco Júnior e Paula Maciulevicius
Queima de arquivo é principal hipótese para execução de PM

A Polícia trabalha com a hipótese de queima de arquivo para o assassinato do subtenente da Polícia Militar José Carlos da Silveira Souza, 39 anos, executado ontem em um posto de combustível em Campo Grande. A suspeita é levantada por conta do envolvimento do PM com máfia do contrabando de cigarros.

O crime aconteceu por volta das 7h45, no posto de combustível que fica no macroanel viário, em Campo Grande. Duas câmeras do estabelecimento gravaram imagens do  assassinato.

As imagens mostram o momento em que o policial chega em um Celta prata. Ele desce do veículo e vai em direção à bomba de combustível. As câmeras captaram também um carro passando na rua próxima ao posto. A Polícia acredita que esse seja o veículo usado pelos bandidos.

A sequência das imagens mostra o atirador já no posto procurando o PM. Em seguida, ele encontra o alvo e vai em direção do veículo. Como a vítima está atrás da bomba de combustível, não é possível ver o momento da execução, apenas a movimentação de pessoas que presenciaram o crime.

Uma das câmeras filmou o atirar deixando o local. Na fuga, ele ainda aponta a arma para um caminhoneiro que está na entrada do posto.

A Polícia vai divulgar as imagens na tentativa de identificar os assassinos. Toda a gravação já está com a perícia.

O delegado Devair Aparecido Francisco, responsável por investigar o caso, acredita que os assassinos não sejam do Estado, já que não se preocuparam em ser identificados pelas câmeras e pelas pessoas que estavam no estabelecimento.

Conforme o delegado, eles podem ser do Paraguai , por conta da região em que o policial atuava antes de ser transferido para o Ciops, em Campo Grande, e também pelo fato do envolvimento com a quadrilha de contrabando de cigarros.

Quatro funcionários do posto já prestaram depoimento. A Polícia procura outras pessoas que testemunharam o crime para que elas possam ajudar com as investigações.

No carro do policial foram apreendidos seis aparelhos celulares. O delegado informou que pediu a quebra do sigilo telefônico da vítima.

O corpo de Silveira tinha 19 perfurações de pistola 9 milímetros, que podem tanto ser de entrada quanto de saída dos disparos. No local, foram encontrados nove cápsulas deflagradas, mas só o laudo pericial vai indicar quantos tiros atingiram o corpo.

Prisão - Em nota divulgada ontem, a Polícia Militar informou que o policial estava na Corporação há 18 anos e passava por processo administrativo que poderia resultar na expulsão dele. Em outubro do ano passado, ele foi preso por envolvimento na máfia do contrabando de cigarros, durante a Operação Fumus Malus.

Durante a operação, foi decretada a prisão de 16 policiais, entre eles Silveira. Três eram de Naviraí, onde ele estava lotado, dois de Itaquiraí, um em Sete Quedas, um em Mundo Novo, um em Iguatemi e quatro Campo Grande.

Estudantes de escolas de tempo integral participam de 'aulão' do Enem
Faltando apenas 15 para a realização do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio), alunos do terceiro ano do Ensino Médio que estão matriculados em escol...
Empreendedorismo entre mulheres é tema de evento na próxima semana
Campo Grande recebe na próxima dia quarta-feira (25) a oitava edição do Mulheres Que Brilham Hoje, evento que aborda o empreendedorismo entre as mulh...
Estudantes da rede municipal apresentar projetos em feira do IFMS
Seis escolas da Reme (Rede Municipal de Educação) participam até este sábado (21) da Fecintec (Feira de Ciência e Tecnologia de Campo Grande), realiz...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions