ACOMPANHE-NOS    
DEZEMBRO, TERÇA  07    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Residencial popular em parceria com a prefeitura prevê até piscina no Cabreúva

Do total de 792 apartamentos, 554 serão sorteados em agosto pela Agência de Habitação

Por Aline dos Santos | 19/05/2021 11:44
Imagem mostra projeção de como será portaria de residencial em Campo Grande. (Foto: Reprodução)
Imagem mostra projeção de como será portaria de residencial em Campo Grande. (Foto: Reprodução)

 O futuro residencial no Bairro Cabreúva, localizado atrás da obra parada do Centro de Belas Artes, Centro de Campo Grande, inclui até piscina e terá 792 apartamentos, destinados a atender o sonho da casa própria para famílias com renda de cinco a sete salários mínimos.

Do total de imóveis, 554 serão financiados para quem se inscrever, de primeiro de junho a 15 de julho, no sorteio da Amhasf (Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários).

Para esse público, com renda na faixa de cinco salários mínimos (R$ 5.500) os apartamentos terão 51 metros quadrados, com dois quartos, sala, cozinha, banheiro, além de uma vaga na garagem. O imóvel é avaliado em R$ 180 mil, com financiamento por meio do programa federal “Casa Verde Amarela”.

Outros 158 apartamentos são de livre comercialização para a Cesari Engenharia e Construção, empresa que tem sede em Barretos (São Paulo) e que executará a obra. Neste caso, a faixa de renda é de até sete salários mínimos (R$ 7.700), o imóvel é avaliado em R$ 220 mil, com 63 metros quadrados, além de um dos quartos do apartamento ser suíte.

De acordo o diretor de Administração e Finanças da Amhasf, Cláudio Marques Costa Junior,  outros 80 apartamentos vão ser repassados para a prefeitura e destinados a projeto de locação social. A modalidade aluguel será para famílias com renda de até três salários mínimos (R$ 3.300).

Projeção de como será piscina, na área de lazer do condomínio. (Foto: Reprodução)
Projeção de como será piscina, na área de lazer do condomínio. (Foto: Reprodução)

Sem caixotes – Na abertura da coletiva de imprensa, realizada por videoconferência, Catiana Sabadin, coordenadora da Central de Projetos, afirmou que o projeto reverte o processo de redução de pessoas no Centro da cidade. Ela explicou que há um movimento pendular, com deslocamento diário de trabalhadores dos bairros para a região central de Campo Grande, que concentra as oportunidades de emprego.

Após estudo de viabilidade, a prefeitura selecionou duas áreas: uma próxima ao Belas Artes e a outra na Avenida Fernando Correa da Costa. O terreno no Cabreúva, com cinco hectares e às margens do Córrego Segredo, foi doado pelo poder público à empresa construtora, com aval da Câmara Municipal. A área foi avaliada em R$ 20,5 milhões.

Na coletiva, o uso da palavra doação foi criticado pela coordenadora, que na sequência emendou que doação de áreas pelo poder público era exigência, por exemplo, no programa Minha Casa, Minha Vida.

“Não foi doado, cobramos uma contrapartida”, afirma Sabadin. Após a conclusão da obra, as áreas são fracionadas e a titularidade passa para os donos dos imóveis.

De acordo com ela, as 80 unidades habitacionais que serão do patrimônio da Agência de Habitação resultam em R$ 12 milhões. A prefeitura também exigiu projeto arquitetônico e urbanístico diferenciado, com destaque para a sustentabilidade.

“É um mix de comércio, serviços e habitação. Com um padrão arquitetônico diferenciado. Essa região é localizada num parte extremamente importante, com valor urbanístico para a cidade, ao lado da Esplanada Ferroviária. Não queríamos caixote do Minha Casa, Minha Vida nessa região”, afirma. O edital para seleção de empresa foi lançado pela prefeitura em 2019, quando o terreno tinha avaliação de R$ 16,2 milhões.

Vista geral do condomínio que será erguido no Cabreúva. (Foto: Reprodução)
Vista geral do condomínio que será erguido no Cabreúva. (Foto: Reprodução)

Centro comercial – Além de 20% dos apartamentos (158 imóveis), a Cesari Engenharia e Construção também vai comercializar 42 salas, que ficarão fora do condomínio, com livre acesso ao público.

De acordo com Gustavo Cesari, diretor-executivo (CEO) da empresa, nas salas deverão funcionar farmácias, padaria, açougue, lojas.  Ainda segundo   o diretor, será a primeira obra da Cesari em Campo Grande.

“A equipe de construção vem pronta, mas vamos contratar engenheiros para acompanhar a obra, estagiários”, afirma. A estimativa é contrata de 100 a 150 pessoas.

O Centro tem capacidade de receber mais moradores, considerando que reúne estrutura como hospital, escola, faculdade.

Inscrições – As  inscrições para os 554 apartamentos serão abertas no dia primeiro de junho e devem terminar no dia 15 de julho. Podem participar famílias com renda de até cinco salários mínimos. De acordo com diretora-presidente da agência, Maria Helena Bughi,o sorteio será em 6 de agosto.

As inscrições serão feitas pelo site da Amhasf, na sede da agência (Travessa Íria Loureiro Viana, 415, Vila Oriente, das 8h às 17h) e por meio do telefone (67) 3314 3900.

Nos siga no Google Notícias
Regras de comentário