A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 26 de Fevereiro de 2017

28/11/2016 18:10

Sem recursos, Casa da Mulher pode reduzir atendimento em 40%

Luana Rodrigues
Atualmente, Casa da Mulher funciona 24h. (Foto: Luana Rodrigues)Atualmente, Casa da Mulher funciona 24h. (Foto: Luana Rodrigues)

O atendimento na Casa da Mulher Brasileira, em Campo Grande, pode ser reduzido em até 40% a partir desta terça-feira (29). Há possibilidade de não haver plantões noturnos, aos feriados e nos finais de semana no local, que atualmente funciona 24h.

É que o prazo do convênio entre a prefeitura e a empresa Morhena, que presta serviços terceirizados à casa, vence amanhã e não há recursos para a renovação do contrato. Até agora, 63 funcionários terceirizados do local já foram demitidos pela empresa, mas o atendimento continua normalmente.

Segundo a prefeitura, a "culpa" pela provável redução no volume de atendimentos é do governo federal, que ainda não assinou termo aditivo para repasse de R$ 4,3 milhões à gestão municipal, administradora do espaço."Estamos fazendo um remanejamento de equipe da secretaria de politicas públicas para as mulheres para que o atendimento não seja prejudicado. o que podemos garantir é que a casa não será fechada, mas os atendimentos podem sim ser reduzidos em até 40%", explica a secretária municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, Leyde Pedroso.

Leyde explica que o governo federal passa por uma reestruturação desde o impeachment de Dilma Rousseff (PT) e, por isso, a demora no depósito da verba. Na semana passada, o prefeito Alcides Bernal (PP) reuniu-se com o ministro da Justiça Alexandre de Moraes para cobrar o repasse, porém, pelo visto a situação não foi solucionada.

De acordo com uma funcionária, que preferiu não se identificar, os trabalhadores foram demitidos na sexta-feira (25), mas a demissão foi retroativa a 28 de outubro. "Muita gente está preocupada se vai receber os direito ou não, inclusive se irá receber pelo aviso, que não foi feito. Estamos num impasse", contou.

Além do pessoal terceirizado - só o contrato com a Morhena é de R$ 325 mil mensais -, o recurso é usado para pagar pelo combustível e o aluguel dos carros que prestam assistência às mulheres vítimas de violência, a alimentação dos funcionários e das pessoas atendidas, além das contas de água e luz. "Por enquanto, a gente está aguentando", destacou a secretária.

Irregularidades - A titular da Semmu (Secretaria Municipal de Política para as Mulheres), que gerencia os recursos vindos do governo federal, esclarece que a União não repassou a última parcela do ano, para custear as despesas de outubro, novembro e dezembro. No entanto, informações de funcionários dão conta de que a empresa também não recebeu o repasse de setembro e teria feito o pagamento dos funcionários por conta própria.

A justificativa da secretária para tanto, é de que a prefeitura estava fazendo uma auditoria nos contratos com a empresa. "Verificamos que os contratos estavam acima dos valores de mercado,que havia uma discrepância entre o que era cobrado e o custo real do serviço. Então providenciamos esta análise e só depois da auditoria finalizada é que faríamos o repasse a empresa", explica.

Uma irregularidade encontrada, segundo a secretária, é quanto ao valor pago aos profissionais contratados. Uma recepcionista ou motorista, que pelo preço de mercado, receberia R$ 900 pelo serviço prestado. Pelo contrato entre prefeitura e a empresa, recebe praticamente cinco vezes mais, R$ 5.276,82.

A reportagem entrou em contato com a Morhena, mas nenhum representante da empresa foi encontrado.

Outro lado - O Campo Grande News entrou em contato com a SPM (Secretaria Especial de Políticas Públicas para as Mulheres), órgão gerenciado pelo governo federal, para esclarecer o motivo pelo não pagamento do termo aditivo. No entanto, a assessoria de imprensa informou que só poderá enviar uma reposta sobre a questão na manhã desta terça-feira (29).

Números - De fevereiro do ano passado até outubro deste ano, 109.285 atendimentos foram realizados na Casa da Mulher Brasileira - ou seja, 5,4 mil por mês, média de 180 por dia -, que funciona 24 horas, inclusive nos fins de semana e feriados.

O local faz o acolhimento e a triagem das vítimas de violência doméstica, oferece atendimentos psicossocias, transporte, alimentação, alojamento e brinquedoteca, além de abrigar a Deam (Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher, 3.ª Vara de Violência Doméstica, Ministério Público, Defensoria Pública, Funsat e Guarda Municipal.

SERVIÇO - A Casa Mulher da Brasileira fica na rua Brasília, s/nº, no Jardim Imá.

Ladrão sobe em coqueiro, invade loja e furta R$ 3 mil em roupas e bijuterias
Maicon Silvestre Capelaxio, 26 anos, foi preso após invadir e furtar mais de R$ 3,7 mil em produtos de uma loja de roupas, por volta de 1h30 deste do...
Com dois voos agendados, aeroporto opera sem restrições nesta manhã
O Aeroporto Internacional de Campo Grande opera normalmente para pousos e decolagens nesta manhã de domingo (26). De acordo com o site da Infraero (E...
Interdições causam extenso congestionamento no Centro de Campo Grande
As interdições feitas em Campo Grande neste sábado (25) por causa das festas de Carnaval causaram extensos congestionamentos no Centro da cidade, afe...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions