A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

20/07/2016 10:32

Sete meses após morte das 2 filhas, avó ainda briga por guarda de netas

Luana Rodrigues
“Não há um dia que eu não me lembre das minhas filhas, que eu não derrube lágrimas, diz Maria Aparecida. (Foto: Marcos Ermínio)“Não há um dia que eu não me lembre das minhas filhas, que eu não derrube lágrimas", diz Maria Aparecida. (Foto: Marcos Ermínio)

Quase sete meses após a morte das filhas, Maria Aparecida Amarilha Scardin, 50 anos, ainda não conseguiu a guarda das netas de 4 e 6 anos. Akemi e Michelle Maruyama, de 27 e 29 anos, foram mortas no dia 29 de dezembro do ano passado, no Japão. A avó busca junto à justiça japonesa a guarda das crianças, mas a burocracia e a falta de um tratado entre os países, prejudicam o processo.

“Não há um dia sequer que eu não me lembre das minhas filhas, que eu não derrube lágrimas. O que ainda me mantém de pé é a esperança de ter essas crianças”, diz a avó, que ainda sofre muito com a perda das duas filhas e ausência das netas.

Conforme Maria, a Justiça brasileira concedeu a guarda das meninas. Mas ainda foi preciso enviar uma documentação com o pedido de guarda já foi encaminhada ao Ministério das Relações Exteriores. O Itamaraty pediu a tradução juramentada dos documentos, para que envie uma carta rogatória - instrumento jurídico de cooperação entre dois países – ao Japão, para agilizar o processo.

A avó diz que pretende voltar ao Japão, caso não consiga a guarda da neta em alguns meses. “Vou pegar os documentos e partir para lá. O que não posso é ficar sem essas meninas, são o que me mantem viva”, disse.

O principal suspeito de matar as irmãs continua preso, Tony La Rosa, segundo Maria. Ele era marido de Akemi, um peruano que vivia no Japão e já responde por outros crimes no país. “Dia 31 de agosto ele será julgado por esses outros crimes, e espero que seja condenado”, conta.

Crime - Os corpos de Akemi e Michelle foram encontrados carbonizados depois que bombeiros foram acionados para conter um incêndio no apartamento onde elas moravam.

A polícia acredita que o incêndio foi causado por gasolina, espalhada propositalmente no local após as duas mulheres serem mortas. Um galão de 5 litros de gasolina foi encontrado sobre a pia da cozinha.

Para relatar a barbárie do crime, Maria explica que a filha mais velha, Michelle, não foi identificada porque está com o corpo muito queimado. "E o pior é que acho que minhas netas presenciaram tudo que ocorreu no apartamento. Imagine crianças de 3 e 5 anos vendo a mãe a tia sendo mortas pelo próprio pai, é horrível", diz.

Akemi e Michelle eram de Campo Grande, filhas de um japonês e há cerca de 12 anos decidiram ir morar no país oriental para trabalhar. A primeira a se mudar foi Michelle, em 2003. Dois anos depois, Akemi seguiu os passos da irmã.

Mãe de brasileiras já está no Japão em busca das netas, dizem amigos
Maria Aparecida Amarilha Scardin, mãe de Akemi e Michelle Maruyama, encontradas mortas no Japão no dia 29 de dezembro do ano passado, já está no país...
Eventos de Natal, inauguração de igreja e obras interditam 9 ruas na Capital
A Agetran (Agência Municial de Transporte e Trânsito) informa que pelo menos 9 ruas terão o tráfego impedido neste domingo (17) em Campo Grande. O fe...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions