ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
JUNHO, SEGUNDA  24    CAMPO GRANDE 22º

Capital

Startup desenvolve kit para diagnóstico rápido de leishmaniose

Diagnóstico precoce permite melhor tratamento e controle da doença, evitando sua propagação

Por Kamila Alcântara | 25/04/2024 15:15
Biotecnologista Caroline Paes desenvolveu o teste rápido de leishmaniose durante o doutorado (Foto: Larissa Adami)
Biotecnologista Caroline Paes desenvolveu o teste rápido de leishmaniose durante o doutorado (Foto: Larissa Adami)

Uma startup de Campo Grande desenvolveu um teste para diagnóstico rápido de leishmaniose. Baseado na técnica LAMP (Amplificação Isotérmica Mediada por Loop), o exame detecta o material genético do patógeno e foi desenvolvido pela biotecnologista Caroline Paes, durante pesquisa de doutorado da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco).

Endêmica no Brasil, a leishmaniose é uma zoonose transmitida pela picada de vetores, como o flebotomíneo, conhecido como mosquito-palha. Os cães infectados exercem papel importante na transmissão, já que servem como reservatório da doença e contribuem para a transmissão em humanos, por isso o exame é de extrema importância para sua detecção, mesmo antes do aparecimento dos sintomas clínicos nos animais.

O diagnóstico precoce permite melhor tratamento e controle da doença, evitando sua propagação. A criadora da startup conta que o principal desafio foi encontrar uma região no DNA de Leishmania ssp. que fosse conservada em todos os indivíduos.

“Desenhamos em laboratório algumas moléculas que reconhecem essas regiões e direcionam para encontrar o DNA do patógeno. Depois do reconhecimento ocorre o processo de amplificação, onde milhares de cópias do DNA alvo serão geradas. Na presença do produto de amplificação, o reagente colorimétrico muda de cor”, detalha Caroline.

Com a técnica LAMP, o tempo de espera pelo resultado reduz de três dias para aproximadamente 1 hora e o custo é 50% menor em comparação aos métodos de diagnósticos moleculares convencionais. Além disso, a empresa busca utilizar quase todos os insumos de fornecedores nacionais para reduzir ainda mais o preço, o prazo de entrega e a dependência de importação.

O kit diagnóstico, produto final da startup, conterá tubos com os reagentes e um manual de instruções. Para a realização do teste será necessário apenas um equipamento que possa manter a temperatura constante de 65 °C por 30 minutos, como um banho seco ou banho-maria, por exemplo.

Esse projeto tem o apoio da Fundect (Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul), vinculada à Semadesc (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento, Ciência, Tecnologia e Inovação), através do programa Centelha.

Receba as principais notícias do Estado pelo Whats. Clique aqui para acessar o canal do Campo Grande News e siga nossas redes sociais.

Nos siga no Google Notícias