ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
FEVEREIRO, TERÇA  27    CAMPO GRANDE 30º

Capital

Todos funcionários fantasmas foram indicados pela Prefeitura, afirma Seleta

Prefeitura encaminhava lista com os nomes e cargos que os funcionários iam ocupar; Convênio foi classificado pelo Gaeco como "indústria de funcionários fantasmas"

Yarima Mecchi | 21/12/2016 15:36
Ricardo disse que Seleta vai investigar internamente. (Foto: Yarima Mecchi)
Ricardo disse que Seleta vai investigar internamente. (Foto: Yarima Mecchi)

Todos os 4,3 mil funcionários que prestavam serviço para a Prefeitura de Campo Grande através do convênio com a Omep-MS (Organização Mundial para Educação Pré-Escolar - Mato Grosso do Sul) e a SSCH-CG (Seleta Sociedade Caritativa e Humanitária - Campo Grande) era indicados pelo Executivo Municipal, inclusive os considerados "fantasmas", afirma o membro do departamento jurídico da Seleta, Ricardo Barros.

De acordo com ele, quando a Prefeitura solicitava contratação de pessoal, já encaminhava uma lista com os nomes e cargos que cada um ia ocupar. "Quando eles pediam merendeira, por exemplo, já vinha a lista de nomes para a gente contratar, mas quem tinha a responsabilidade de fiscalizar ser as pessoas estavam trabalhando era a Prefeitura", ressaltou.

Na avaliação da entidade, isso prova que as irregularidades investigadas pelo o MPE (Ministério Público do Estado) são de responsabilidade do Executivo Municipal, uma vez que os funcionários eram lotados e remanejados pela Prefeitura. "Eles eram de responsabilidade da Prefeitura. Não cabe a nós saber a função que estão exercendo, cabe a eles. Nós recebemos apenas por serviço prestado".

O convênio foi classificado pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), como "indústria de funcionários fantasmas". As investigações internas devem durar de 4 a 5 meses, de acordo com a Seleta.

Gaeco realizou operação no dia 13 de dezembro na sede da Seleta e da Omep. (Foto: Fernando Antunes)
Gaeco realizou operação no dia 13 de dezembro na sede da Seleta e da Omep. (Foto: Fernando Antunes)

Presas - Durante a operação do Gaeco, denominada Urutau, deflagrada no dia 13 de dezembro, Ana Cláudia Pereira da Silva, que atuaria como chefe do departamento pessoal na Seleta, e Kelly Ribeiro Pereira, coordenadora da creche Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, tiveram a prisão temporária decretada a pedido do Gaeco. Além da presidente da Omep-MS, Maria Aparecida Salmaze.

Segundo Ricardo, as funcionárias da Seleta estão demitidas e as supostas irregularidades cometidas por elas serão investigadas internamente. "Na minha interpretação estão fora da Seleta. Também vamos descobrir o motivo pelo qual a Kelly recebia bonificações", disse se referindo a suposto pagamento de bonificação para a funcionária Kelley por serviços prestados de forma irregular.

Ele disse que todas as supostas irregularidades que envolvem funcionários ou membros da Seleta serão investigadas internamente e que caso sejam comprovadas os responsáveis podem levar uma advertência ou serem expulsos da organização.

"Se for seletiano por levar uma advertência ou ser expulso. Também terá que devolver o dinheiro, caso se provado o desvio", declarou.

Ricardo declarou que já constataram que houve corrupção dentro da instituição, mas que ainda não sabem quais os crimes e quem estava envolvido. "O nome da Seleta foi usado para corrupção, mas ainda não sabemos o que foi feito e vamos descobrir".

Funcionários - Os 4,3 mil funcionários que estão automaticamente demitidos, de acordo com Ricardo. Ele explica que todos eram contratados por meio do convênio com a Prefeitura de Campo Grande e como a Justiça determinou a extinção do convênio a demissão é automática.

"Estamos esperando o repasse para pagar todos eles, os que cabem a Seleta. Nós não temos responsabilidade sobre esses funcionários e dependemos do dinheiro da Prefeitura para fazer o repasse. A Prefeitura é responsável", destacou.

Ele disse ainda que nenhuma rescisão foi assinadas e os terceirizados devem receber o valor refente inclusive aos dias que ficaram parados até a rescisão. Por meio da Justiça o Executivo Municipal está proibido de realizar qualquer repasse para as organizações.

Nos siga no Google Notícias

Veja Também