ACOMPANHE-NOS     Campo Grande News no Facebook Campo Grande News no Twitter Campo Grande News no Instagram
MARÇO, DOMINGO  03    CAMPO GRANDE 29º

Capital

Treinador acusado de assédios defende castração química em rede social

Conforme a polícia, há duas denúncias de assédio contra o professor envolvendo alunas de atletismo

Dayene Paz | 14/09/2022 10:42
Postagem feita por treinador, em julho deste ano. (Foto: Reprodução/Facebook)
Postagem feita por treinador, em julho deste ano. (Foto: Reprodução/Facebook)

O treinador, de 37 anos, acusado de assédios sexuais contra atletas em Campo Grande, já defendeu a castração química em sua rede social. Ele chegou a postar um vídeo, em julho deste ano, referente a um médico acusado de estuprar pacientes, no qual afirmava "por isso somos a favor da castração química, para agressores sexuais e pedófilos".

O treinador é investigado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher), contudo, a polícia já adiantou que há outras vítimas. A delegada Rafaela Lobato explicou que intimará o treinador, que deve ser ouvido nos próximos dias.

Ainda, a delegada confirmou que ele já respondeu por ameaça em 2020 contra a ex-esposa. No mesmo ano, há denúncia de assédio sexual contra uma aluna de atletismo, de 13 anos, caso que corre na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente).

Conforme apurado pela reportagem do Campo Grande News, a mãe da menina foi quem procurou a polícia ao ver mensagens e fotos no celular da filha. O treinador, supostamente, estaria a assediando, aparentando querer ter um relacionamento com a menor.

A denúncia mais recente foi feita na segunda-feira (12) à Polícia Civil. Conforme a atleta, de 19 anos, o caso ocorreu em março deste ano, contudo, ela só tomou coragem para procurar a polícia esta semana porque tinha medo de perder a bolsa. As "investidas" do professor, vinham ocorrendo há cerca de dois anos.

No relato feito à Deam, a jovem relembrou o dia 30 de março deste ano, quando o treinador deu carona para os atletas, os levando para suas respectivas casas, como de praxe. Durante o trajeto, a deixou por último e pediu para ficar com a vítima, que respondeu negativamente. Não aceitando a resposta, fez um novo pedido, dessa vez oferecendo R$ 50 e R$ 100, o que também não foi aceito.

Mesmo diante da segunda recusa, o treinador não parou com o assédio e pediu para pegar nos seios da atleta. A jovem, por sua vez, respondeu que só o via como professor e profissional. Descontente, de acordo com a denúncia, o treinador ainda mostrou, pelo celular, uma foto do pênis dele, pedindo para que ela comentasse com as amigas. Em seguida, a deixou em casa.

A Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul), afirmou que a vítima é beneficiária do programa Bolsa Atleta e o técnico beneficiário do Bolsa Técnico, sendo que ele não é servidor do órgão. A entidade afirma que acompanha de perto o caso e salienta que professor pode perder o direito ao recebimento da bolsa, caso comprovado o crime.

Nos siga no Google Notícias