A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

07/08/2010 08:01

Caso Rogerinho: Desembargador mantém juiz no caso

Redação

O desembargador Romero Osme Dias Lopes rejeitou ontem a concessão de liminar para afastar o juiz Carlos Alberto Garcete do processo contra o jornalista Agnaldo Ferreira Gonçalves, réu pela morte do menino Rogerinho. O garoto foi morto durante uma briga de trânsito, novembro de 2009, trânsito envolvendo Agnaldo e o tio do menino.

A defesa de Agnaldo havia protocolocado no início de julho pedido para que fosse declarada a suspeição do juiz, alegando diversos argumentos. O pedido primeiro foi avaliado pelo próprio magistrado, que rejeitou deixaer o caso.

Na sequência, o processo foi enviado para o Tribunal de Justiça para a análise dos desembargadores e, na decisão liminar, o relator negou a solicitação da defesa. Agora, falta a turma analisar o mérito do pedido, denominado exce cão de suspeição.

Ao rejeitar deixar o caso, no dia 7 de julho, o juiz Carlos Alberto Garcete, da 1ª Vara dos Crimes Dolosos contra a Vida e Tribunal do Júri, classificou a solicitação de "irresponsável, maldosa e de má-fé". Quando enviou os autos para o TJ, ele recomendou que a solicitação seja arquivado, "porque desprovida de qualquer fundamento sério".

Motivos O pedido da defes de Agnaldo foi protocolado no dia 18 de maio. O advogado de Agnaldo, Valdir Custódio, alegou que o juiz ofendeu a ele e a seu cliente no plenário; que quando atuava em Jardim deixou de tomar providencias em relação a uma acusação de aborto contra a mãe do menino morto, Ariana Pedra; que cometeu erros no processo em que a família do garoto pede indenização de R$ 1,3 milhão ao jornalista; que tem permitido durante as audiências que Agnaldo seja vítima coação com a presença de familiares do menino usando camisetas com a foto dele; que retardou deliberadamente uma decisão determinando a prisão preventiva de Agnaldo, para oferecê-lo como "prêmio à imprensa"; e, por fim, que emitiu opinião sobre o caso à imprensa, o que é vedado aos magistrados.

Em resposta à defesa, o magistrado disse não ter qualquer antipatia pelo réu ou pelo advogado, "pois nem o conhece";

Sobre a alegação de ter deixado de tomar providências sobre um aborto cometido pela mãe de Rogerinho, quando era juiz em Jardim, o magistrado diz que a Justiça só pode agir quando provocada e que o papel de investigação é da polícia.

A respeito de ter retardado a prisão, também rejeita o argumento, justificando cronologicamente o tramite do pedido do Ministério Público Estadual.

O juiz lembra, ainda, seu currículo, cita os livros que já escreveu na área jurídica e fala de sua credibilidade no meio.

Por fim, o magistrado elenca testemunhas para o julgamento da exceção de suspeição no TJ, caso o pedido de arquivamento não seja aceito.

O processo que originou o pedido de suspeição, pela morte do menino Rogerinho, está parado, aguardando que o réu seja ouvido em Praia Grande, litoral de São Paulo, onde está morando.

Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...
Município de Itaporã comemora 64 anos de emancipação neste domingo
Conhecido como Cidade do Peixe, Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, comemora 64 anos de emancipação neste domingo (10). A prefeitura municipal ...
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions