A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

01/04/2016 13:16

Chefia em disputa: MPE é “fiscal” da sociedade e gasta R$ 285 mi por ano

Aline dos Santos
Eleição para procurador-geral do Estado acontece nesta sexta-feira. (Foto: Fernando Antunes)Eleição para procurador-geral do Estado acontece nesta sexta-feira. (Foto: Fernando Antunes)
O Ministério Público é o grande protetor da sociedade, diz Lindomar. (Foto: Fernando Antunes)"O Ministério Público é o grande protetor da sociedade", diz Lindomar. (Foto: Fernando Antunes)

Com dois candidatos e escolha final do governador, acontece nesta sexta-feira (dia 1º) a eleição para o novo procurador-geral de Justiça. O escolhido será alçado ao posto de chefe do MPE (Ministério Público), instituição com previsão orçamentária de R$ 285,6 milhões neste ano e que protagoniza desde operações que miram a corrupção, como "Coffee Break" e "Força-Tarefa", à ações para que tenha equipamentos no posto de saúde.

“O Ministério Público é o grande protetor da sociedade. Nisso se inclui a defesa da infância, do meio ambiente, da vítima da infração penal, o combate à corrupção, da improbidade. Em todas as áreas que interessam o cidadão o Ministério Público atua. Desde a saúde ao meio ambiente. É o fiscal da lei”, afirma o presidente da Associação Sul Mato-grossense dos Membros do MPE, Lindomar Tiago Rodrigues.

Desta forma, também vale o inverso. Caso o Ministério Público deixe de atuar ou seja vagaroso, o cidadão terá os direitos prejudicados. O comando da instituição, atualmente sob a chefia do procurador Humberto Brites, vai trocar de mãos em maio.

Nesta sexta-feira, até às 17h, 231 membros (31 procuradores e 200 promotores) estão aptos a votar. O resultado da eleição, com voto em cédula, será conhecido ainda hoje. Porém, os nomes, pela ordem de votação, são encaminhados ao governador Reinado Azambuja (PSDB), a quem cabe fazer a nomeação. Em geral, o escolhido é o primeiro colocado.

Candidatos – Na eleição, a vaga é disputada pelos procuradores Paulo Cezar dos Passos, 49 anos, e Gilberto Robalinho da Silva, 51 anos. Ambos foram defensores públicos e compartilham discurso de modernização, protagonismo e abertura para que os promotores entrem na próxima disputa. Eles têm mais de duas décadas na instituição. Robalinho ingressou em 1991 e Paulo Cezar em 1992. 

Robalinho tem 51 anos e ingressou no MPE em 1991. (Foto: Fernando Antunes)Robalinho tem 51 anos e ingressou no MPE em 1991. (Foto: Fernando Antunes)
Paulo Cezar tem 49 anos e desde 1992 é membro do MPE. (Foto: Fernando Antunes)Paulo Cezar tem 49 anos e desde 1992 é membro do MPE. (Foto: Fernando Antunes)

“Penso num Ministério Público que busque modernização. Temos funções importantes e a instituição hoje é protagonista de grandes transformações da sociedade. Vamos ter que atuar dando independência e estrutura. Para que possamos fazer jus à confiança que a sociedade deposita nos promotores e procuradores de Justiça. E fazer com que a instituição tenha um salto de qualidade”, afirma Paulo Cezar.

Robalinho destaca o combate à corrupção. “Vejo o Ministério Público como principal protagonista no combate ao desvio de dinheiro público. Chegando à Procuradoria-geral, conduzirei a instituição respeitando os princípios que norteiam a administração pública. O órgão tem que ser indutor de políticas públicas para o bem comum. Porque efetivamente assumiu o papel de protagonista no combate à corrupção”, salienta.

Sobre a Coffee Break, Paulo Cezar afirma que, caso o resultado não tenha sido encaminhado até a troca de gestão, ele fará a denúncia ao Poder Judiciário. “Adotarei as providências logo no primeiro mês da minha gestão. Oferecer a denúncia e finalizar a investigação”, diz. Ele lembra que o caso é complexo e envolve mais de 30 pessoas.

A postura de celeridade também é prometida pelo concorrente. Se for o escolhido, ele afirma que vai se inteirar sobre o caso e tomar providência. “Vou me reunir com os colegas e me inteirar sobre o que, efetivamente, existe de fatos criminosos. Se existir elementos, ajuizarei a ação penal”, diz Robalinho.

O relatório da Coffee Break aponta o envolvimento de dois ex-prefeitos, empresários e 13 vereadores na suposta compra de votos para cassar o mandato do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). O documento deu entrada na PGJ em dezembro

Disputa – O rito para escolha do chefe do MPE prevê que seja realizada eleição e formada uma lista tríplice para ser remetida ao governo. Contudo, a eleição de hoje tem apenas dois nomes. A explicação é porque Mato Grosso do Sul está na lista dos cinco Estados que não permitem candidatura de promotores.

De acordo com Lindomar Rodrigues, tramita uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) na Assembleia Legislativa abrindo o processo eleitoral para os promotores. Pela proposta, alguns requisitos é ter 35 anos de idade e dez anos na carreira. Em 2003, houve tentativa de mudar a legislação, mas foi frustrada.

Dois disputam amanhã eleição para chefia do Ministério Público de MS
O MPE (Ministério Público do Estado) realiza amanhã (dia 1º) a eleição para escolha do novo Procurador-Geral de Justiça. O cargo, atualmente ocupado ...
Carro roubado no RJ é recuperado em estrada rumo ao Paraguai
Um automóvel recentemente roubado no Rio de Janeiro foi recuperado por policiais militares em uma estrada vicinal de Japorã –a 487 km de Campo Grande...


imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions