A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

01/06/2013 08:53

CNA volta a cobrar suspensão das demarcações de terras indígenas

Francisco Júnior

Diante da morte do indígena Oziel Gabriel, de 35 anos, morto a tiros durante uma ação policial de reintegração de posse da fazenda Buriti, em Sidrolândia, a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) voltou a cobrar do governo federal a suspensão das demarcações de terras indígenas.

Para a entidade, os processos demarcatórios devem ser interrompidos até que o Supremo Tribunal Federal (STF) se manifeste sobre a obrigatoriedade das 19 condicionantes impostas pela Corte para aprovar a demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, no Acre, sejam aplicadas a outros processos demarcatórios de reservas indígenas.
“É mais do que hora de o governo federal suspender o processo de demarcação de terras indígenas, conduzido de modo arbitrário, e frequentemente ilegal, pela Funai [Fundação Nacional do Índio], e aguardar que o STF estabeleça em definitivo o regime jurídico de demarcações de terras indígenas no país”, diz a entidade.

Ainda na nota, a CNA declara que o “lamentável confronto” ocorrido durante a desocupação da Fazenda Buritis, do ex-deputado estadual Ricardo Bacha, é o que se pode chamar de “crônica de uma tragédia anunciada”.

“A confederação reiteradas vezes advertiu o Ministério da Justiça e a Advocacia-Geral da União (AGU) para o risco de acontecimentos como esse”, sustenta a entidade, argumentando que órgãos públicos e organizações sociais que dizem defender os índios os usam de massa de manobra, incentivando o antagonismo entre produtores rurais e as comunidades indígenas.

“É injusto, desumano e inadmissível que os índios, cidadãos brasileiros, sirvam de instrumento a essas iniciativas hostis e ilegais, que, desta vez, produziram uma vítima fatal”, acrescenta a entidade, se referindo a Osiel Gabriel, índio terena de 35 anos, morto durante a ação coordenada pela Polícia Federal com o apoio de policiais militares.

“A banalização da ilegalidade, que ignora a posse legítima da terra e promove invasões, depredações e agressões aos proprietários rurais, não pode continuar, sob pena de novas tragédias”, conclui a CNA, lembrando que, antes mesmo dos índios ocuparem a fazenda, no último dia 15, a Justiça Federal já havia se manifestado sobre a ilegalidade da ação.

Termina na 4ª feira prazo para adotar cartinha e ajudar Papai Noel dos Correios
Termina na próxima quarta-feira (dia 13) o prazo para quem quiser adotar uma cartinha do projeto Papai Noel dos Correios. Os interessados devem compa...
Câmara de Vereadores entrega meio milhão de reais em emendas parlamentares
A Câmara Municipal de Costa Rica, a 305 quilômetros de Campo Grande, realiza nesta segunda-feira (dia 11) três sessões, duas delas especiais. Às 14h ...


O juíz federal (substituto) ao sentenciar a saída dos índios, também, sentenciou a alternativa caso os índios não desocupassem a fazenda: PAGAMENTO DE 10 MIL POR DIA. Alguém mostrou isso ao delegado que mandou matar?
Outra coisa...alguém viu os bombeiros que compareceram ao local com uma viatura de combate, tentando debelar o fogo nas casas da fazenda? Viram ao menos os mesmos tentando o rescaldo do patrimônio do fazendeiro? Foram fazer o que, por lá? Faltavam hidrantes no local?
 
Mauricio Coutinho em 01/06/2013 09:26:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions