A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 23 de Setembro de 2017

03/08/2017 18:08

Cozinheira que caiu no shopping receberá R$ 7 mil de indenização

A mulher fraturou o pulso, passou por cirurgia e ficou afastada do trabalho por três meses

Lucas Junot
O acidente ocorreu na rampa de acesso ao estabelecimento (Foto: Arquivo)O acidente ocorreu na rampa de acesso ao estabelecimento (Foto: Arquivo)

O Shopping Pantanal foi condenado ao pagamento de R$ 7 mil a uma cozinheira que caiu na rampa de acesso ao estabelecimento, em 2012 e fraturou o punho. Nesta quinta-feira (3), sentença da 10ª Vara Cível de Campo Grande determinou o pagamento de R$ 5 mil por danos morais e mais R$ 2 mil referentes à renda do período em que a mulher ficou afastada do trabalho.

De acordo com a cozinheira, o piso do local estava encerado e não havia fita antiderrapante no chão, o que causou a queda e fratura no punho direito. O shopping não teria prestado qualquer auxílio. A mulher passou por cirurgia e ficou três meses imobilizada, sem poder trabalhar.

O Shopping Pantanal argumentou que a autora não estava comprando nada, apenas atravessava o estabelecimento para “cortar caminho” entre as ruas Marechal Rondon e Dom Aquino. Rebateu as declarações da cozinheira dizendo que após o acidente ligou várias vezes para o Samu e ofereceu um carro para levá-la até o hospital.

Além disso, o estabelecimento sustenta que o piso não estava encerado e que havia fita adesiva instalada no local e que o motivo da queda seria “a sandália da mulher, já bastante velha, de salto médio, aliado à idade, sobrepeso e falta de atenção”.

A juíza titular da Vara, Sueli Garcia Saldanha, observou “que, a despeito da existência de faixas antiderrapantes instaladas no local, tais acessórios encontram-se visivelmente desgastados. Além disso, observa-se a ausência de corrimão para apoio na rampa do estabelecimento demandado, o que contraria norma de segurança que regulamenta o acesso a rampas e escadas (Norma ABNT NBR 9077)”.

Além disso, frisou a magistrada, “não se sustenta a tese levantada pelo réu de que a queda se deu por culpa exclusiva da vítima, que usava calçado velho, de salto médio anabela, sobretudo porque sequer restou demonstrado nos autos que a autora fazia uso desse tipo de calçado no dia do acidente”.

“Para eximir-se de responsabilização, cumpria ao requerido demonstrar a adoção de medidas prudenciais e efetivas de segurança, visando evitar a ocorrência de acidentes como o sofrido pela demandante, como, por exemplo, a substituição das faixas antiderrapantes já desgastadas pelo uso e instalação de corrimão nas rampas que dão acesso ao local, ou a colocação de placas indicativas capazes de alertar os consumidores acerca do perigo no local”, destacou a juíza.

Testes indicam que vacina contra zika pode prevenir a transmissão na gravidez
A vacina contra zika desenvolvida pelo Instituto Evandro Chagas (IEC) apresentou resultado positivo nos testes em camundongos e macacos. A aplicação ...
Caixa reduz para 50% limite para financiamento de imóveis usados
A Caixa Econômica Federal reduzirá a partir da segunda-feira, 25, o limite para o financiamento de imóveis usados para até 50% do valor. Até hoje, cl...
Último sorteio da Mega-Semana da Primavera pode pagar R$ 30 milhões
A Mega-Sena sorteia o prêmio acumulado de R$ 35 milhões neste sábado (23). O concurso 1.971, último da Mega-Semana da Primavera, será sorteado às 20h...
Gilmar Mendes mantém presos os irmãos Joesley e Wesley Batista
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes negou hoje (22) o pedido de liberdade aos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da J&F, p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions